'Ingresso da PM no Carandiru foi necessário'

Declaração é do secretário de Segurança Pública na época do massacre, Pedro Franco de Campos, que presta depoimento nesta terça-feira na segunda etapa do julgamento, em SP; ele também declarou que a decisão foi tomada após conversas com desembargadores e diretores: "Todos chegaram ao consenso de intervenção"

'Ingresso da PM no Carandiru foi necessário'
'Ingresso da PM no Carandiru foi necessário'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernanda Cruz
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Após ouvir testemunha protegida, o Tribunal do Júri que julga nesta manhã o Massacre do Carandiru colheu o depoimento do secretário de Segurança Pública na época, Pedro Franco de Campos. Ele reiterou a necessidade da entrada da polícia militar no Pavilhão 9 da antiga casa de detenção, em razão do "gigantismo" da rebelião e do perigo de que ela se espalhasse para os outros pavilhões, onde estavam mais de 7 mil presos.

Ele destacou também que o governo temia que a rebelião afetasse a cidade, já que Carandiru estava incrustado na capital paulista. O ex-secretário relatou que, em contato por telefone com o coronel Ubiratan Guimarães, percebeu a necessidade do ingresso da PM. "O coronel Ubiratan usou a expressão 'caótica' e eu constatei que era mesmo necessária a intervenção da PM". "No contato com o Ubiratan, eu disse o seguinte: se houver necessidade de a PM entrar, o senhor tem autorização", acrescentou.

Sobre a decisão da entrada da polícia no presídio, ele também declarou que isso ocorreu após conversas com desembargadores e diretores. "Todos chegaram ao consenso de [que havia necessidade de] intervenção", disse ele.

Após ação da polícia no Pavilhão 9, os números a respeito de mortes começaram a chegar desencontrados, conforme relatou Pedro. "Começaram a chegar os resultados de que havia mortos e policiais feridos. Aí, começaram a chegar histórias de uma forma difusa, de que o Ubiratan tinha sofrido acidente no presídio", disse.

Questionado pela promotoria sobre se, no caso de excessos pela polícia, os magistrados da época poderiam coibir o movimento. Em resposta, Pedro disse apenas que os juízes não entraram junto com a PM. "Não houve prevaricação de juiz nenhum, não houve nenhuma irregularidade por parte deles", declarou.

O julgamento de hoje faz parte da uma segunda etapa. Todo o processo foi separado em quatro partes, divididas pelas ações policiais referentes a cada um dos quatro andares do Pavilhão 9. Nesta segunda fase, são julgados 26 policiais militares acusados pela morte de 73 detentos no terceiro pavimento (que corresponde ao segundo andar).

O Massacre do Carandiru ficou conhecido como o maior massacre do sistema penitenciário brasileiro. No dia 2 de outubro de 1992, policiais entraram no Pavilhão 9 do presído para reprimir uma rebelião. A ação resultou em 111 detentos mortos e 87 feridos.

Edição: José Romildo

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247