Já com mais de 4 mil assinaturas, médicos reagem com manifesto contra a direção do CFM por apoiar declarações de Bolsonaro

À plateia que estava no auditório do conselho Federal de Medicina, Bolsonaro voltou a defender o uso de medicamentos ineficazes como a cloroquina contra a covid-19

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro na sede do CFM, em Brasília
Jair Bolsonaro na sede do CFM, em Brasília (Foto: Divulgação)


247 - Inconformados com a visita de Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, ao Conselho Federal de Medicina (CFM) na quarta-feira (27), médicos lançaram ontem um manifesto e um abaixo-assinado contra a entidade. O documento, que na manhã de hoje tinha mais de 4 mil assinaturas, critica a direção do conselho por apoiar as declarações anticientíficas e desrespeitosas de Bolsonaro. O manifesto tem o título "Este CFM não nos representa". A reportagem é de Chico Alves, no portal UOL.

À plateia que estava no auditório do conselho, Bolsonaro voltou a defender o uso de medicamentos ineficazes como a cloroquina contra a covid-19, disse com orgulho que não se vacinou e ridicularizou os senadores que comandaram a CPI da Covid, arrancando risos dos presentes. Ao fim, foi aplaudido de pé e alguns gritaram "Mito!".

Na abertura do manifesto contra a entidade, médicos e médicas alertam que "normas éticas e evidências científicas" devem ser seguidas e respeitadas "pelos órgãos da classe e sociedades representativas".

Os autores do texto prosseguem dizendo que "incrédulos e envergonhados" tomaram conhecimento da visita do presidente ao CFM, ocasião em que "explicitamente e diante de dezenas de médicos ridicularizou a pandemia e desprezou todos os que com ela perderam a vida (inclusive muito médicos e profissionais de saúde), criticou as normas éticas e valores científicos da medicina e chegou ao cúmulo de se vangloriar de não ter sido vacinado contra Covid-19 e estar vivo", sem ser interrompido ou questionado por sequer um dos médicos ali presentes.

O conselho é criticado no documento por defender "posturas anticientíficas e com viés político, dando apoio a tratamentos que já foram amplamente estudados e cuja ineficácia é comprovada pelos maiores e mais reconhecidos centros de pesquisas médicas do mundo".

Prossegue o manifesto: "Acompanhamos estarrecidos uma parte da categoria médica que ignora os efeitos das ações nefastas do atual governo federal, que provocaram agravamento da pandemia, aumento da fome e reduziram as perspectivas de futuro para grande parte dos brasileiros e brasileiras, com impacto significativo para população mais vulnerável. O mesmo governo que reiteradamente atenta contra as instituições e a democracia".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email