Jarbas: "Campos já é dissidente do governo"

Desafeto do governador Eduardo Campos (PSB) até outro dia, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) ofereceu um cozido ao socialista em sua casa de praia neste sábado; o peemedebista traduziu as recentes movimentações políticas de Campos, tido como presidenciável para 2014: "Na proporção que ele continua dizendo que o governo andou, que o governo transformou, modificou, que o governo avançou, mas poderia ter avançado muito mais, então é uma dissidência"

Jarbas: "Campos já é dissidente do governo"
Jarbas: "Campos já é dissidente do governo"
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

PE247 - O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), até outro dia inimigo político do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), convidou o conterrâneo para um cozido em sua casa de praia neste sábado e disse que o socialista já é um "dissidente" do governo Dilma. "Na proporção que ele [Eduardo] continua dizendo que o governo andou, que o governo transformou, modificou, que o governo avançou, mas poderia ter avançado muito mais, então é uma dissidência", traduziu Jarbas.

Destacando que a declaração sobre a dissidência "é uma análise pessoal", Jarbas fez todos seus comentários ao lado do governador. Segundo o peemedebista, muitos colegas no Senado têm mostrado interesse em se aproximar do possível candidato à Presidência da República em 2014. "No Senado, está quase todo mundo, metade do Senado, ou mais da metade do Senado querendo conversar com ele", disse, completando: "isso não é uma frase de efeito. É uma frase verdadeira".

Entre os senadores interessados em Campos estariam inclusive "gente da base do governo", segundo Jarbas, como Cristovam Buarque (PDT-DF), Pedro Taques (PDT-MT), Pedro Simon (PMDB-RS), Waldemir Moka (PMDB-MS) e Ricardo Ferraço (PMDB-ES) -- alguns desses já são tidos como independentes.

"São pessoas dos mais diversos partidos e isso é natural que aconteça. Eu já fazia isso e estou fazendo com maior intensidade porque é fato que eu estou sendo mais procurado por lideranças políticas", justificou Eduardo Campos, esquivando-se do tema 'sucessão de 2014'. "Tenho conversado em termos políticos. Não tenho conversado em termos eleitorais", esclareceu.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email