JN: Marconi pediu encontro com Cachoeira

Novas gravaes exibidas pelo Jornal Nacional mostra o brao direito de Cachoeira, Wladimir Garcez, avisando o contraventor que o governador tucano queria v-lo pessoalmente

JN: Marconi pediu encontro com Cachoeira
JN: Marconi pediu encontro com Cachoeira (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O Jornal Nacional, da TV Globo, exibiu nesta terça trechos de gravações feitas pela Policia Federal, na Operação Monte Carlo, que mostram o governador Marconi Perillo (PSDB) solicitando encontro com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Outra reportagem, veiculada pelo JN na última segunda-feira, 16, mostrou conversas entre o ex-presidente da Câmara de Goiânia, Wladimir Garcez, e Cachoeira, no dia 11 de março, tratando da nomeação de auxiliares para a administração tucana em Goiás.

 

Wladimir: Então é o seguinte, o governador liberou os negócios dele e eu falei para ele que nós temos mais quatro pedidos. Esse de Anápolis, ele resolveu que vai lotar nas nomeações. Os de Goiânia, ele vai ver a questão de gerência aqui. Aí tem duas ou três gerências para vir para nós, para a gente discutir quem são são os nomes.

Carlinhos: Tá, cê põe a Vanessa numa. A Rosana pode ser um salário de R$ 2 mil. A Vanessa é gerência, tá?

Wladimir: nós estamos com sete pessoas só aqui, né?

Carlinhos: Ocê, é o seguinte, Wladimir, ocê é o cara que mais põe gente nesse governo aí.

Wladimir: Agora, tem uns carguinho aí que nós vamo poder atender muita gente.

 

Marconi voltou a negar influência do grupo de Carlos Cachoeira em seu governo e, em nota (leia abaixo) debitou a auxiliares as nomeações nos cargos.

Na reportagem desta terça, em novas conversas entre Wladimir e Cachoeira, gravadas no dia 1o de abril de 2011, às 20h22, o ex-presidente da Câmara narra a Cachoeira encontro que teve com o governador. Diz que Perillo queria uma reunião com ele, Cachoeira.

 

Wladimir: até pediu pra nós olharmos uma coisa aí pra ele aí depois. Aí eu falei: - ó, ele chega quarta-feira. Ele. - não, então marca pra quinta-feira, eu, você e ele. Nós vamos sentar, bater um papo, quero conversar com ele.

Carlinhos: Ele quer que eu olhe pra ele o quê?

Wladimir: aí falou assim: - não, é uma coisa que eu quero conversar com ele, é porque eu confiei nele.

Carlinhos: ah não, excelente.

 

Em nova entrevista ao Jornal Nacional, Marconi Perillo admitiu que teve encontro com o bicheiro, mas disse que Carlinhos Cachoeira foi recebido como empresário do ramo farmacêutico. “Recebi uma solicitação de audiência... Desde a deflagração da Operação Monte Carlo eu afirmei que tinha recebido uma vez o senhor Carlos Cachoeira para tratar de assuntos comerciais da indústria que ele representa”, alegou Perillo.

Mais cedo, nesta mesma terça-feira, em encontro com governadores do PSDB em Curitiba, Perillo voltou a negar ligações com o bicheiro.

Cachoeira foi tema da primeira pergunta da entrevista, dirigida a Perillo e ao governador do Tocantins, Siqueira Campos. Ambos negaram que o bicheiro tivesse influência em seus governos. “Nunca recebi pedidos de Cachoeira para cargos no governo. Não há nenhuma pessoa indicada por ele nas gerências, que obedecem a critérios de meritocracia”, falou Perillo.

“Jamais alguém teria a ousadia de me procurar para discutir assunto que dissesse respeito a ilegalidades. Estou absolutamente tranquilo. Quero tranquilizar meus colegas e meu presidente (Sérgio Guerra, presidente do PSDB) quanto a isso”, garantiu o goiano.

“Não existe nenhum contrato em meu governo com empresas ligadas ao Cachoeira. Uma vez, fui apresentado a Cachoeira pelo (ex-senador) Ataídes Oliveira (PSDB-TO), após um encontro fortuito. Mas nunca mais nos encontramos, não temos nenhum relacionamento”, afirmou Siqueira Campos.

Entre o vai e vem de afirmativas e negativas de Perillo, o PT recolheu no início da tarde 28 assinaturas no Senado, garantindo abertura a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) do Cachoeira. Toda a bancada dos 13 senadores do PT já assinou.

Ao final do dia, nos chamados 44 minutos do segundo tempo, a oposição, tendo à frente o senador Álvaro Dias (PSDB) apresentou as assinaturas para a CPMI. Nas audiências que virão, Perillo, Cachoeira e Garcez terão oportunidade de acareação, e ver, afinal, quem está com a verdade.

Goiás

A primeira CPI do Cachoeira, porém, foi aprovada em Goiás (leia mais aqui), em uma manobra do próprio governador tucano. A oposição, até então, tentava aprovar CPI idêntica, mas patinava na falta de uma assinatura. Os governistas terão total controle da comissão aprovada e vão investigar também prefeituras do PT e do PMDB.

 

A nota do governo de Goiás:

NOTA À IMPRENSA

A respeito de reportagem sobre nomeações de servidores na administração estadual, o Governo de Goiás reafirma que o sr. Carlos Cachoeira não teve qualquer participação ou influência na indicação ou nomeação de cargos comissionados na atual administração. O governo não se responsabiliza por diálogo de terceiros em relação às nomeações.

Como integrante do PSDB, ex-presidente da Câmara de Goiânia e participante da campanha eleitoral de 2010 e irmão da suplente de vereadora Cida Garcez, o sr. Wladimir Garcez fez indicações para cargos comissionados, sendo que algumas foram atendidas, outras não, tudo precedido de avaliação rigorosamente técnica, em consonância com as necessidades da administração estadual. 

As nomeações de 3 funcionários indicados pelo ex-vereador Wladimir Garcez foram feitas diretamente pelos secretários de estado, que possuem autonomia administrativa para isso, e não tiveram o crivo ou a participação do governador. Um deles foi nomeado para um cargo de gerência por concurso de meritocracia, portanto, sem a interferência de quem quer que seja.

Assim que teve conhecimento da matéria veiculada pela tevê, o governador Marconi Perillo determinou a apuração de toda e qualquer irregularidade nas eventuais nomeações feitas. Conforme foi apurado, o processo de nomeação foi feito dentro das normas da administração pública do estado, não havendo qualquer tipo de restrição ou ilegalidade.

O governador Marconi Perillo reafirma sua disposição de continuar o trabalho de atender estritamente aos rigorosos critérios de gestão estadual, inclusive a exigência de “Ficha Limpa”, uma iniciativa pioneira entre os governos estaduais.

Gabinete de Imprensa da Governadoria

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email