Juízes de Pernambuco recebem R$ 7 milhões retroativos

Os juízes brasileiros continuam a abusar do dinheiro público em tempos de crise; em Pernambuco, estado com a maior taxa de desemprego no Brasil, juízes pediram o retroativo referente a auxílio-alimentação no período em que estavam de férias e conseguiram receber nada menos que R$ 7 milhões

Os juízes brasileiros continuam a abusar do dinheiro público em tempos de crise; em Pernambuco, estado com a maior taxa de desemprego no Brasil, juízes pediram o retroativo referente a auxílio-alimentação no período em que estavam de férias e conseguiram receber nada menos que R$ 7 milhões
Os juízes brasileiros continuam a abusar do dinheiro público em tempos de crise; em Pernambuco, estado com a maior taxa de desemprego no Brasil, juízes pediram o retroativo referente a auxílio-alimentação no período em que estavam de férias e conseguiram receber nada menos que R$ 7 milhões (Foto: Charles Nisz)

Por Miguel do Rosário, do blog O Cafezinho

No mesmo dia em que sai a notícia de que Pernambuco é o estado com maior índice de desemprego do país, com quase 20% das pessoas sem trabalho, nos deparamos com a notícia de que os juízes do estado conseguiram R$ 7 milhões retroativos para auxílio-alimentação durante… as férias.

***

No blog Pingafogo, do Jornal do Comércio

Juízes de Pernambuco pedem auxílio-alimentação durante férias e conseguem R$ 7 milhões retroativos

Publicado em 17/08/2017 às 9:34

A entidade que representa juízes e desembargadores no estado, a Associação dos Magistrados de Pernambuco (Amepe), entrou com um processo administrativo no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) para que a classe recebesse auxílio-alimentação durante as férias. Mas não só isso. Pediu também que os valores fossem pagos de forma retroativa. Inicialmente o TJPE vetou o pedido. A Amepe entrou com recurso administrativo e finalmente, por maioria de votos, o recurso foi provido.

O assunto ganhou as redes sociais e gerou furor no meio jurídico. Na crise, um dos votos contrários à concessão do benefício de forma retroativa foi o atual presidente do Tribunal, o desembargador Leopoldo Raposo. Em seu voto, ele disse que o ato administrativo não poderia retroagir e ainda informou que o custo da medida seria de R$ 7 milhões.

Mas não teve jeito. O benefício foi sim provido – por um erro, a informação publicada na versão impressa da coluna foi de que o recurso não teria sido provido. Foi sim. A correção será publicada na coluna desta sexta (18), no JC.

Abaixo, segue nota da Amepe em que a entidade celebra a reversão no TJPE e comemora o benefício:

“A Associação dos Magistrados de Pernambuco (AMEPE) esclarece que fez o requerimento ao TJPE visando corrigir uma injustiça em relação a concessão do auxílio alimentação para os juízes de Pernambuco. Diferentemente dos promotores e de todos os juízes do País, os magistrados do Estado eram os únicos que não recebiam o auxilio alimentação nas férias. O Ministério Público e todos os Tribunais do País já reconheciam esse direito. Nesse sentido, a Associação requereu o pagamento ao TJPE, que inicialmente indeferiu o pedido. A entidade recorreu e finalmente foi feito justiça. A AMEPE entende que não há nenhuma ilegalidade, pelo contrário, foi reparada uma injustiça em relação a esse benefício, que, inclusive, é concedido a todos os trabalhadores que recebem vale ou auxílio alimentação”.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247