Juízes do RS veem falta de "compostura" em Barbosa

Segundo o presidente da Associação de Juízes do Rio Grande do Sul, Pio Giovani Dresch, "não é possível tolerar a falta de compostura de quem deveria dar o exemplo aos demais juízes e à cidadania"; a declaração veio após o presidente do STF, Joaquim Barbosa, acusar o ministro Ricardo Lewandowski de fazer "chicana" para beneficiar os réus

Segundo o presidente da Associação de Juízes do Rio Grande do Sul, Pio Giovani Dresch, "não é possível tolerar a falta de compostura de quem deveria dar o exemplo aos demais juízes e à cidadania"; a declaração veio após o presidente do STF, Joaquim Barbosa, acusar o ministro Ricardo Lewandowski de fazer "chicana" para beneficiar os réus
Segundo o presidente da Associação de Juízes do Rio Grande do Sul, Pio Giovani Dresch, "não é possível tolerar a falta de compostura de quem deveria dar o exemplo aos demais juízes e à cidadania"; a declaração veio após o presidente do STF, Joaquim Barbosa, acusar o ministro Ricardo Lewandowski de fazer "chicana" para beneficiar os réus (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Conjur - O presidente da Associação de Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), Pio Giovani Dresch, criticou a postura do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, que durante sessão de julgamento da Ação Penal 470, o caso do mensalão. Na quinta-feira (15/8), Barbosa acusou o ministro Ricardo Lewandowski de fazer "chicana" para beneficiar os réus. A expressão é utilizada para definir argumentos meramente protelatórios.

Segundo o presidente da Ajuris, trata-se de conduta incompatível com o cargo e em desacordo com os deveres impostos pela Lei Orgânica da Magistratura. "Há tempo víamos no Supremo debates que ultrapassavam os limites da divergência civilizada, depondo contra o prestígio do Judiciário e da magistratura, mas chegamos a tal nível de desrespeito que já não é possível tolerar a falta de compostura de quem deveria dar o exemplo aos demais juízes e à cidadania", diz.

A postura do ministro já havia sido criticada por outras associações nesta sexta-feira (16/8). A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB,) a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgaram nota afirmando que a insinuação de Joaquim Barbosa "não é tratamento adequado a um membro da Suprema Corte", além de não contribuir para o debate.

Além disso, a nota afirmou que tal frase pode influenciar negativamente na conceito do STF por parte da sociedade. "Os magistrados precisam ter independência para decidir e não podem ser criticados por quem, na mesma Corte, divirja do seu entendimento. Eventuais divergências são naturais e compreensíveis num julgamento, mas o tratamento entre os ministros deve se conservar respeitoso, como convém e é da tradição do Supremo Tribunal Federal", diz trecho da nota. Com informações da Assessoria de Imprensa da Ajuris.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email