Justiça bloqueia bens de empresa da lancha que virou em Mar Grande

O Tribunal de Justiça da Bahia determinou o bloqueio dos bens da CL Transportes Marítimos, empresa dona da lancha Cavalo Marinho I, que virou em e causou a morte de 19 pessoas em 24 de agosto na travessia Salvador-Mar Grande; além do bloqueio de bens, a corte acatou o pedido da Defensoria Pública do Estado de bloqueio de 5% da renda líquida adquirida com a venda de passagens para a travessia

O Tribunal de Justiça da Bahia determinou o bloqueio dos bens da CL Transportes Marítimos, empresa dona da lancha Cavalo Marinho I, que virou em e causou a morte de 19 pessoas em 24 de agosto na travessia Salvador-Mar Grande; além do bloqueio de bens, a corte acatou o pedido da Defensoria Pública do Estado de bloqueio de 5% da renda líquida adquirida com a venda de passagens para a travessia
O Tribunal de Justiça da Bahia determinou o bloqueio dos bens da CL Transportes Marítimos, empresa dona da lancha Cavalo Marinho I, que virou em e causou a morte de 19 pessoas em 24 de agosto na travessia Salvador-Mar Grande; além do bloqueio de bens, a corte acatou o pedido da Defensoria Pública do Estado de bloqueio de 5% da renda líquida adquirida com a venda de passagens para a travessia (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sayonara Moreno - correspondente da Agência Brasil

O Tribunal de Justiça da Bahia determinou o bloqueio dos bens da empresa CL Transportes Marítimos, dona da lancha Cavalo Marinho I, que virou em alto-mar e causou a morte de 19 pessoas em 24 de agosto. A confirmação do bloqueio é da Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE), que solicitou a determinação há cerca de uma semana.

A decisão, de caráter liminar, foi do juiz Maurício Lima de Oliveira, da 16ª Vara de Relações de Consumo. Além do bloqueio de bens, foi acatado o pedido de bloqueio de 5% da renda líquida adquirida com a venda de passagens para a travessia Mar Grande/Salvador e Salvador/Mar Grande – trecho em que ocorreu o acidente.

A ação da DPE alega que os bens da empresa devem ser bloqueados para garantir verba suficiente para um possível pagamento de indenizações às vítimas e familiares de vítimas do acidente.

Segundo a DPE, a ação movida pelo órgão é em favor de cinco pessoas atendidas em Salvador. No entanto, a DPE informou que estará em Mar Grande, entre os dias 25 e 28 de setembro, para atender outras pessoas interessadas na ação. Uma unidade móvel da Defensoria será instalada na Praça da Matriz, onde os defensores coletarão documentos necessários para as ações em favor de cerca de 100 pessoas ouvidas após o acidente.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247