Justiça desbloqueia R$ 19 mi destinados ao governo

O dinheiro foi repassado ao governo do Tocantins pela Celtins por cobrança indevida no contrato do Programa Nacional de Iluminação Pública Eficiente (Reluz); mas estava bloqueado devido a uma ação trabalhista movida contra a companhia de eletricidade; o Tribunal de Justiça decidiu que o governo não pode ser envolvido numa disputa entre Celtins e seus funcionários

O dinheiro foi repassado ao governo do Tocantins pela Celtins por cobrança indevida no contrato do Programa Nacional de Iluminação Pública Eficiente (Reluz); mas estava bloqueado devido a uma ação trabalhista movida contra a companhia de eletricidade; o Tribunal de Justiça decidiu que o governo não pode ser envolvido numa disputa entre Celtins e seus funcionários
O dinheiro foi repassado ao governo do Tocantins pela Celtins por cobrança indevida no contrato do Programa Nacional de Iluminação Pública Eficiente (Reluz); mas estava bloqueado devido a uma ação trabalhista movida contra a companhia de eletricidade; o Tribunal de Justiça decidiu que o governo não pode ser envolvido numa disputa entre Celtins e seus funcionários (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 – Nos próximos dois dias o governo do Estado vai receber um aporte de R$ 19 milhões em seus cofres públicos. É que o Tribunal de Justiça decidiu nessa quarta-feira, 26, desbloquear esse montante que foi repassado ao governo do Tocantins pela Celtins por cobrança indevida no contrato do Programa Nacional de Iluminação Pública Eficiente (Reluz).

Conforme explicou ao portal CT o procurador geral do Estado, André Matos Gonçalves, a Celtins teve que devolver o dinheiro porque reteve, para o pagamento do Reluz, dividendos das ações que o Estado detém na empresa. Essa cláusula do contrato não estava na lei aprovada pela Assembleia autorizando o governo a firmar a parceria com a companhia de energia. "Se não estava na lei, logo, era ilegal", concluiu Matos.

No fim do ano passado, o Superior Tribunal de Justiça já havia rejeitado liminar da Celtins e mantido a determinação do pagamento do valor ao Estado. A Celtins chegou a efetuar o repasse do valor ao Estado, mas uma ação trabalhista movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Eletricidade do Tocantins (Steet) acabou resultando no bloqueio de R$ 15 milhões do total destinado ao Estado.

A Procuradoria Geral do Estado recorreu para liberar os recursos, e, nesta quarta-feira, por dois votos (desembargadores Marco Antony Villas Boas e Ângela Prudente) contra um (desembargador Daniel Negry), o TJ acolheu o argumento.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email