Justiça do Piauí é uma das mais lentas do País

O tempo médio para a Justiça do Piauí proferir uma sentença em instância de 1º grau é de seis anos e quatro meses, bem maior do que a média nacional, de 4 anos e 4 meses; o Tribunal de Justiça do estado teve uma das piores médias do País, de acordo com pesquisa divulgada pelo CNJ; também foi analisado o índice de produtividade por magistrado; entre os 12 TJ’s de pequeno porte, o estado teve o segundo pior resultado, obtendo média de 941, quase metade do resultado da medida nacional que foi de 1.804

O tempo médio para a Justiça do Piauí proferir uma sentença em instância de 1º grau é de seis anos e quatro meses, bem maior do que a média nacional, de 4 anos e 4 meses; o Tribunal de Justiça do estado teve uma das piores médias do País, de acordo com pesquisa divulgada pelo CNJ; também foi analisado o índice de produtividade por magistrado; entre os 12 TJ’s de pequeno porte, o estado teve o segundo pior resultado, obtendo média de 941, quase metade do resultado da medida nacional que foi de 1.804
O tempo médio para a Justiça do Piauí proferir uma sentença em instância de 1º grau é de seis anos e quatro meses, bem maior do que a média nacional, de 4 anos e 4 meses; o Tribunal de Justiça do estado teve uma das piores médias do País, de acordo com pesquisa divulgada pelo CNJ; também foi analisado o índice de produtividade por magistrado; entre os 12 TJ’s de pequeno porte, o estado teve o segundo pior resultado, obtendo média de 941, quase metade do resultado da medida nacional que foi de 1.804 (Foto: Leonardo Lucena)

Piauí 247 - O tempo médio para a Justiça do Piauí proferir uma sentença em instância de 1º grau é de seis anos e quatro meses, bem maior do que a média nacional, de 4 anos e 4 meses. O Tribunal de Justiça do estado teve uma das piores médias do País, de acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira (17) pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O diagnóstico divide os tribunais pelo porte e a separação é feita em três grupos: grande porte, médio e pequeno. O Piauí e outros 11 tribunais são considerados de pequeno porte. Também foi analisado o índice de produtividade por magistrado. Entre os 12 TJ’s de pequeno porte, o estado teve o segundo pior resultado, obtendo média de 941, quase metade do resultado da medida nacional que foi de 1.804.

Em nota, "o Juiz Auxiliar da Presidência do TJ-PI, Antonio Oliveira, informa que com relação aos números do ranking nacional divulgado pelo CNJ (o IPC-Jus), o Tribunal do Piauí avançou em relação ao último ranking, e ultrapassou alguns Tribunais, como o do Rio Grande do Norte. Ou seja, o resultado foi positivo, embora ainda abaixo do desejado".

"O magistrado reconhece, porém, que na comparação com os Tribunais de pequeno porte, classificação do CNJ que enquadra o TJ- PI, o resultado ainda foi abaixo do esperado, mas o Tribunal evoluiu, pois saiu do último lugar. O Juiz Auxiliar Antonio Oliveira afirma que o Tribunal tem passado nos últimos por uma série de problemas, inclusive, financeiro", diz o texto.

"No entanto, reforça o magistrado, no próximo ranking o TJ-PI deve avançar mais, como avançou neste. Ele acrescenta que se todas as ações do Presidente Erivan Lopes forem implementadas, o TJ-PI dará um salto de qualidade nos números do CNJ".

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247