Líder do PT cobra que PGR investigue Temer

Líder do PT na Casa, Humberto Costa (PE), protocolou junto à Procuradoria-Geral da República (PGR)), juntamente com representantes de partidos da oposição, representação para que Michel Temer seja investigado pelos crimes de concussão e advocacia administrativa; ação também requer que a PGR ouça os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), da Cultura, Roberto Freire (PPS), e da Advocacia-Geral da União, Grace Mendonça, sobre o tráfico de influência exercido no governo por Geddel Vieira Lima (PMDB); "O presidente também cometeu o crime de concussão, por ter constrangido Calero a fazer algo ilícito para obter vantagem do ato, e o de advocacia administrativa", afirmou 

Humberto Costa
Humberto Costa (Foto: Paulo Emílio)

Pernambuco 247 - Após pedir a renúncia do presidente não eleito Michel Temer (PMDB) da tribuna do Senado, o líder do PT na Casa, Humberto Costa (PE), foi até a Procuradoria-Geral da República (PGR) na tarde desta segunda-feira (28), junto com parlamentares da bancada e de outros partidos da oposição, protocolar uma representação para que o órgão investigue o peemedebista por dois crimes comuns: concussão e advocacia administrativa.

Humberto explicou que a ação também requer que a PGR apure e ouça os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), da Cultura, Roberto Freire (PPS), e da Advocacia-Geral da União, Grace Mendonça, sobre o escândalo envolvendo o tráfico de influência exercido no governo por Geddel Vieira Lima (PMDB). As denúncias vieram à tona depois que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero resolveu falar publicamente sobre o assunto e prestar depoimento à Polícia Federal.

"Queremos explicações de um presidente que, a cada dia, mostra que não tem condições de estar no cargo. Um presidente que não se indigna com os escândalos que derrubam seus ministros. Que promove jantares milionários e shows de samba onde se gasta os tubos, tudo para convencer os convivas a aprovar propostas que congelam gastos e arrocham o salário e as condições de vida do trabalhador", declarou o líder do PT.

O parlamentar avalia que Temer, que pressionou e atuou em favor de interesses privados de Geddel, cometeu os crimes previstos do Código Penal citados na peça protocolada junto à PGR. Para o senador, o presidente prevaricou ao "retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal".

"O presidente também cometeu o crime de concussão, por ter constrangido Calero a fazer algo ilícito para obter vantagem do ato, e o de advocacia administrativa, que trata de favorecer, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário", explicou.

O líder do PT afirmou que tem certeza e total convicção de que Temer vai cair em questão de tempo, pois é fraco e está rodeado de corruptos. Ele aproveitou para criticar as declarações do presidente de que vai vetar a anistia ao caixa 2 de campanha caso o Congresso Nacional aprove-a.

"Vimos ontem (domingo, 28) aquela patética entrevista que envolveu os presidentes da República, da Câmara e o do Senado, em que, inclusive, Temer, achando que o povo brasileiro é bobo, disse: 'Se aprovar a anistia ao caixa dois, eu veto'. Ora, na verdade, quem estava patrocinando a anistia do caixa dois era ele, era a Base do Governo dele, com a concordância dele", ressaltou.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247