Líder do PT pede demissão de Kassab e Perrella

Deputado Afonso Florence (PT-BA) protocolou nesta quarta-feira 22, na Comissão de Ética Pública da Presidência, denúncias contra o ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia e Comunicações, por ter nomeado uma advogada de emissoras de TV para o cargo de coordenação de outorgas; o ministro Torquarto Jardim, da Transparência, por ter nomeado sua sócia em escritório de advocacia para chefiar seu gabinete na pasta; e ainda o secretário do ministério do Esporte Gustavo Perrella, dono do helicóptero que foi flagrado transportando 445kg de cocaína, o que, segundo o deputado, não coaduna "com os ditames constitucionais"

Deputado Afonso Florence (PT-BA) protocolou nesta quarta-feira 22, na Comissão de Ética Pública da Presidência, denúncias contra o ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia e Comunicações, por ter nomeado uma advogada de emissoras de TV para o cargo de coordenação de outorgas; o ministro Torquarto Jardim, da Transparência, por ter nomeado sua sócia em escritório de advocacia para chefiar seu gabinete na pasta; e ainda o secretário do ministério do Esporte Gustavo Perrella, dono do helicóptero que foi flagrado transportando 445kg de cocaína, o que, segundo o deputado, não coaduna "com os ditames constitucionais"
Deputado Afonso Florence (PT-BA) protocolou nesta quarta-feira 22, na Comissão de Ética Pública da Presidência, denúncias contra o ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia e Comunicações, por ter nomeado uma advogada de emissoras de TV para o cargo de coordenação de outorgas; o ministro Torquarto Jardim, da Transparência, por ter nomeado sua sócia em escritório de advocacia para chefiar seu gabinete na pasta; e ainda o secretário do ministério do Esporte Gustavo Perrella, dono do helicóptero que foi flagrado transportando 445kg de cocaína, o que, segundo o deputado, não coaduna "com os ditames constitucionais" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Líder do PT na Câmara, o deputado federal Afonso Florence (PT-BA) protocolou nesta quarta-feira 22, na Comissão de Ética Pública da Presidência (CEP), denúncias contra o ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Torquarto Jardim, da Transparência, Fiscalização e Controle, e contra Gustavo Perrella, Secretário Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor do ministério do Esporte.

Nas ações, dirigidas ao presidente da Comissão de Ética, o advogado Mauro de Azevedo Menezes, Florence questiona a nomeação por Gilberto Kassab da advogada Vanda Jugurtha Bonna Nogueira para o cargo de secretária de Serviços de Comunicação Eletrônica, que cuida de outorgas de rádio e TV. Vanda já atuou em favor de várias emissoras em processos em tramitação na pasta (leia mais).

O deputado também leva à Comissão a nomeação, pelo ministro da Transparência, da advogada Lilian Claessen Miranda Brandão para ser chefe de gabinete no ministério. O deputado aponta que Lilian é sócia de Jardim em um escritório de advocacia

"Com efeito, ainda que não se tratasse do Ministério responsável pela prevenção, controle e apuração de ilegalidades e desvios éticos na Administração Pública Federal, a nomeação realizada pelo Representado de uma sócia como chefe de gabinete de "seu" Ministério significa, no mínimo, um atentado aos princípios da moralidade pública e da impessoalidade descritos no art. 37, da Constituição Federal", sustenta.

Na terceira ação, o líder do PT afirma que a nomeação de Gustavo Perrela como secretário no ministério do Esporte não coaduna "com os ditames constitucionais", tendo em "vista a vinculação do seu nome à apreensão de um helicóptero com 445 Kg de cocaína", e ainda pelo fato de Perrella ser "réu perante o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em uma ação de improbidade administrativa, bem como em uma ação civil pública, ambas propostas pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247