Lideranças cobram transparência com empréstimos

Sindicatos e políticos prometem fiscalizar uso de recursos pelo governo de Alagoas e cobram ações sociais para reverter índices negativos que assolam o Estado; a "enxurrada de empréstimos" é tema de discussão na Assembleia Legislativa, que acompanha as "prioridades" do governo

Lideranças cobram transparência com empréstimos
Lideranças cobram transparência com empréstimos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bruno Soriano e Eduardo Almeida, Gazetaweb - Lideranças políticas e sindicais cobraram, na manhã desta quarta-feira 27, transparência, por parte do governo de Alagoas, na aplicação de recursos obtidos junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A Caixa Econômica Federal creditou R$ 257 milhões, na última sexta-feira, na conta do governo, referentes a primeira parcela de um empréstimo.

O recurso será destinado ao programa "Alagoas Tem Pressa", que, segundo o Executivo, busca otimizar as ações de cada secretaria. Entretanto, servidores e lideranças prometem fiscalizar a aplicação de cada centavo do montante, que eleva a dívida pública do Estado a R$ 9 bilhões.

A "enxurrada de empréstimos" é tema de discussão na Assembleia Legislativa de Alagoas, que acompanha as "prioridades" do governo estadual. É o que assegura o deputado Ronaldo Medeiros (PT), que afirma ter solicitado ao governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) informações sobre o cronograma dos serviços que deverão ser realizados com a garantia do novo recurso.

"Temos de fiscalizar cada centavo deste dinheiro. Algumas obras em andamento no Estado reúnem cifras muito altas e, por isso, precisamos saber o que é prioridade ou não. O governo do Estado precisa é ampliar o diálogo com o servidores, a fim de se evitar que os trabalhadores busquem caminhos que poderiam ser evitados", comentou o deputado estadual, reportando-se à insatisfação de classes como a dos policiais militares, que seguem a buscar realinhamento salarial.

"Os policiais militares seguem insatisfeitos, o que pode redundar em problemas maiores num futuro bem próximo. E continuamos a perder vidas com a greve dos médicos, que já dura mais de cem dias. Se o quadro da Saúde em Alagoas já não é bom quando todos os profissionais trabalham, o que então esperar numa situação de greve?", indagou o parlamentar, acrescentando que a bancada da oposição no Legislativo segue atenta à forma com a qual o Estado tem lidado com o servidor.

Já o presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas (Aspra), Wagner Simas, afirma não entender o governo do Estado segue a se amparar na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) "para protelar a valorização do servidor público". "O Estado não conseguiria se atolar em empréstimos se tivesse ultrapassado o limite prudencial da LRF. Afinal, uma instituição credora não empresta tanto dinheiro sem que o devedor apresente os requisitos necessários à liberação do valor requerido", avaliou o militar.

Além disso, segundo o líder sindical, tem-se ainda o problema representado, segundo ele, pela Assembleia Legislativa. "A aprovação destes empréstimos se dá através de acordos, muitas vezes escusos, entre governo e deputados estaduais de sua base aliada, já que os parlamentares buscam recursos para suas bases, fomentando os redutos eleitorais, ao invés de se investir em ações sociais. Ou seja, não se tem uma garantia de que todo o montante será destinado à finalidade de origem", afirmou Wagner Simas, para quem o novo empréstimo só faz aumentar o que considera ser verdadeira "bola de neve, com o Estado a tentar pagar dívida pública que parece eterna".

MÉDICOS FALAM EM 'CAOS ADMINISTRATIVO'

O presidente do Sindicato dos Médicos de Alagoas, Welington Galvão, também cobrou transparência na aplicação dos recursos públicos. "É preciso que a Assembleia e que a sociedade fiscalizem e cobrem do governo o bom uso do recurso. Alagoas vive um caos administrativo, que precisa ser revertido. Não podemos continuar com os índices atuais de violência, com a educação socateada e a saúde precária, como está".

"O governo alega que o montante deve ser aplicado em infraestrutura. Mas não é só de infraestrutura que nós precisamos. É preciso investir principalmente em capital humano. Há mais de 10 anos que não é realizado concurso na área de saúde e várias outras áreas sofrem carência de pessoal", concluiu Galvão.

EDUCAÇÃO COBRA POLÍTICAS SOCIAIS PARA AL

Para a vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal), Célica Capistrano, o governo deveria viabilizar recursos, prioritariamente, para políticas sociais e para a valorização do servidor público. "Alagoas precisa de políticas eficientes na área de segurança pública, saúde e educação. É necessário investir em áreas críticas para reverter a situação em que o estado se encontra".

Capistrano ressalta que é necessário que os órgãos de fiscalização acompanhem a aplicação dos recursos, para evitar o mau uso da verba. "Na educação, nós vemos o governo aplicar recursos sem licitação, em obras que consomem muito dinheiro. É preciso que a aplicação da verba seja acompanhada, para evitar que essa situação se repita em outras áreas", pontuou a sindicalista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email