Ligado ao MST, deputado do PT rejeita Kátia: "Um balde de água fria"

Com origem política que emergiu do Movimento dos Sem Terra (MST) na Bahia, o deputado federal Valmir Assunção, do PT, engrossa o coro das críticas á presidente Dilma Rousseff por sua possível escolha pela senadora Kátia Abreu (PMDB) para assumir o comando do Ministério da Agricultura e por Carlos Guedes para o Ministério do Desenvolvimento Agrário; "Se os nomes forem confirmados, Dilma sepulta a esperança dos movimentos sociais que lutam pela reforma agrária. Esses nomes são um balde de água fria"

Com origem política que emergiu do Movimento dos Sem Terra (MST) na Bahia, o deputado federal Valmir Assunção, do PT, engrossa o coro das críticas á presidente Dilma Rousseff por sua possível escolha pela senadora Kátia Abreu (PMDB) para assumir o comando do Ministério da Agricultura e por Carlos Guedes para o Ministério do Desenvolvimento Agrário; "Se os nomes forem confirmados, Dilma sepulta a esperança dos movimentos sociais que lutam pela reforma agrária. Esses nomes são um balde de água fria"
Com origem política que emergiu do Movimento dos Sem Terra (MST) na Bahia, o deputado federal Valmir Assunção, do PT, engrossa o coro das críticas á presidente Dilma Rousseff por sua possível escolha pela senadora Kátia Abreu (PMDB) para assumir o comando do Ministério da Agricultura e por Carlos Guedes para o Ministério do Desenvolvimento Agrário; "Se os nomes forem confirmados, Dilma sepulta a esperança dos movimentos sociais que lutam pela reforma agrária. Esses nomes são um balde de água fria" (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - Com origem política que emergiu do Movimento dos Sem Terra (MST) na Bahia, o deputado federal Valmir Assunção, do PT, engrossa o coro das críticas à presidente Dilma Rousseff por sua possível escolha pela senadora Kátia Abreu (PMDB) para assumir o comando do Ministério da Agricultura e por Carlos Guedes para o Ministério do Desenvolvimento Agrário. O anúncio deve acontecer até o final desta semana.

"Se os nomes forem confirmados, Dilma sepulta a esperança dos movimentos sociais que lutam pela reforma agrária", diz o deputado petista em nota da coluna Tempo Presente, no jornal A Tarde desta terça-feira (25).

Valmir Assunção diz que nos primeiros quatro anos de Dilma os avanços na reforma agrária foram pífios. "Sabemos como foi dura esta eleição e como faltou diálogo da presidente com os movimentos sociais no primeiro mandato. Esses nomes são um balde de água fria".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247