Lucro na volatilidade

Especialistas apontam os caminhos para ganhar na Bolsa de Valores em contextos de grande turbulncia

Lucro na volatilidade
Lucro na volatilidade (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Luciane Macedo _247 - A crise na Zona do Euro, com incertezas que aumentaram ainda mais na última semana, projeções (pouco otimistas) do Federal Reserve para a economia americana e a reunião do G-20 agitaram os mercados do mundo todo, que reagiram entre altas e baixas, refletindo a expectativa dos investidores em momentos alternados entre otimismo e ceticismo. Lidar com o sobe e desce dos pregões em mercados "nervosos", mês a mês, tem sido uma constante na vida do investidor em renda variável. Por aqui, muitos investidores pessoa física preferiram bater em retirada da Bolsa de Valores em outubro, preferindo a renda fixa. Ao mesmo tempo, o Ibovespa foi o melhor investimento do mês passado, acumulando ganhos de 11,49%, seu melhor desempenho mensal desde maio de 2009. Especialistas apontam que a volatilidade pode render bons lucros no mercado acionário se o investidor souber agir com a estratégia adequada e desde que esteja consciente dos riscos envolvidos. Momentos de baixa oferecem boas oportunidades para ganhar dinheiro, ao contrário do que muita gente pensa.

"Quem tem perfil de Bolsa vai investir o ano todo, com cenário bom ou ruim", diz Marcelo Coutinho, sócio da YouTrade, empresa de educação financeira e investimentos. "É preciso entender que se ganha vendendo na Bolsa, quebrar esse paradigma de que só se ganha comprando", diz Coutinho. "O investidor vende, compra mais barato e fica com a diferença no bolso", assinala. "É uma oportunidade de ganhar com a Bolsa em baixa, operar vendido".

Segundo Coutinho, é preciso lembrar, porém, que "a possibilidade de ganhar mais convive lado a lado com a de perder mais". Por isso, o investidor também deve ter uma estratégia bem definida, de curto ou longo prazo, e que faça sentido para ele. "Se a posição é de curto prazo, para fazer dinheiro rápido, o investidor deve adotar uma estratégia para comprar em um dia e vender no outro", orienta o sócio da YouTrade. "Posições de curto prazo são para serem mantidas por algumas semanas, no máximo". Segundo Coutinho, um erro comum de muitos investidores em Bolsa é definir posições de curto prazo e, depois, acabar adotando uma atitude de quem faz uma carteira de longo prazo. "Bolsa não é fundo, que se pode comprar e esquecer que existe", adverte o especialista. "Em vez de zerar o prejuízo e mudar de estratégia, muitos mantêm a posição, segurando papéis que estão caindo", assinala Coutinho, enfatizando o desencontro entre estratégia e ação.

A escolha de papéis deve ser coerente com os planos do investidor. "O Brasil está em posição privilegiada, mas como a Bolsa sobre influência dos mercados do mundo todo, o investidor se sente mais seguro com ações de empresas que estão menos suscetíveis a variáveis externas", comenta Coutinho. "Mas a razão de compra é diferente para cada um".

Para José Kobori, sócio da JKobori Investimentos e autor do livro "Análise Fundamentalista" (Campus/Elsevier), a volatilidade do mercado aumenta o risco para quem quer especular na Bolsa, mas, por outro lado, também favorece quem pretende investir em longo prazo.

"O mercado de ações é o único lugar que oferece a oportunidade de ser sócio de uma empresa pagando menos do que ela vale", comenta o especialista. "As perspectivas ruins, quando o mercado está em baixa, acabam nivelando todo mundo por baixo e depreciando o valor das empresas", diz Kobori. "Mas a maioria não aproveita essa oportunidade e só toma coragem para investir na Bolsa em momentos de euforia, saindo com o mercado em baixa". Segundo Kobori, esse é outro equívoco bastante comum no mercado acionário, deixar-se levar pelo emocional em vez de aproveitar as oportunidades oferecidas em momentos de crise.

Uma boa estratégia para ganhar com a volatilidade, orienta Kobori, é considerar empresas com bons fundamentos, cujas ações estão atualmente depreciadas no mercado, para fazer uma carteira de longo prazo. "Se a empresa tem fundamentos sólidos para crescer no futuro, ela se recupera rapidamente quando o mercado sobe", explica o especialista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email