Mantega identifica e processa seus agressores

Eles se chamam José João Armada Locoselli‎ e Marcelo Maktas Melsohn; foram os dois que, no último dia 28 de junho, acompanhados das respectivas esposas, agrediram o ex-ministro Guido Mantega (dir.) no restaurante Trio, em São Paulo, chamando-o de "ladrão" e "palhaço", entre outros impropérios; agora, a dupla responderá pelos crimes de calúnia, injúria e difamação; caso sejam condenados, poderão ficar mais de um ano atrás das grades; ação conduzida pelo criminalista José Roberto Batochio (esq.) pede que os "boquirrotos e detratores" recebam a "pedagogia adequada"; iniciativa judicial do ex-ministro Mantega é um importante passo para conter a onda fascista que se alastra pela sociedade brasileira

Eles se chamam José João Armada Locoselli‎ e Marcelo Maktas Melsohn; foram os dois que, no último dia 28 de junho, acompanhados das respectivas esposas, agrediram o ex-ministro Guido Mantega (dir.) no restaurante Trio, em São Paulo, chamando-o de "ladrão" e "palhaço", entre outros impropérios; agora, a dupla responderá pelos crimes de calúnia, injúria e difamação; caso sejam condenados, poderão ficar mais de um ano atrás das grades; ação conduzida pelo criminalista José Roberto Batochio (esq.) pede que os "boquirrotos e detratores" recebam a "pedagogia adequada"; iniciativa judicial do ex-ministro Mantega é um importante passo para conter a onda fascista que se alastra pela sociedade brasileira
Eles se chamam José João Armada Locoselli‎ e Marcelo Maktas Melsohn; foram os dois que, no último dia 28 de junho, acompanhados das respectivas esposas, agrediram o ex-ministro Guido Mantega (dir.) no restaurante Trio, em São Paulo, chamando-o de "ladrão" e "palhaço", entre outros impropérios; agora, a dupla responderá pelos crimes de calúnia, injúria e difamação; caso sejam condenados, poderão ficar mais de um ano atrás das grades; ação conduzida pelo criminalista José Roberto Batochio (esq.) pede que os "boquirrotos e detratores" recebam a "pedagogia adequada"; iniciativa judicial do ex-ministro Mantega é um importante passo para conter a onda fascista que se alastra pela sociedade brasileira (Foto: Aline Lima)

SP 247 – O ex-ministro Guido Mantega, que foi agredido gratuitamente no último dia 28 de junho, no restaurante Trio, em São Paulo, deu um importante passo para conter a onda fascista que se alastra pela sociedade brasileira. Identificou e decidiu processar os dois grã-finos que o insultaram num restaurante de alto padrão, em São Paulo. 

Eles se chamam José João Armada Locoselli e Marcelo Maktas Melsohn. Foram os dois que, naquele domingo, acompanhados das respectivas esposas, xingaram o ex-ministro, chamando-o de "ladrão" e "palhaço", entre outros impropérios.

Agora, a dupla responderá pelos crimes de calúnia, injúria e difamação. Caso sejam condenados, poderão ficar mais de um ano atrás das grades.

A ação, conduzida pelo criminalista José Roberto Batochio, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, pede que os "boquirrotos e detratores" recebam a "pedagogia adequada".

A agressão a Mantega, gravada por um celular, foi divulgada em primeira mão pelo 247, num vídeo que viralizou na internet.

– Ladrão, ladrão, sim senhor, palhaço, sem vergonha, sem vergonha, é isso o que o senhor é – disse um dos agressores.

– Estão acabando com esse país. Acabaram com a Petrobras, acabaram com tudo – gritou outro.

– A gente não vai mais aguentar calado – afirmou a acompanhante de um dos agressores, que, em vez de conter a estupidez alheia, embarcou na mesma onda de agressividade.

Ao processá-los criminalmente, Mantega contribui para deter a onda fascista. 

Confira, abaixo, o vídeo da agressão a Mantega:

Ao vivo na TV 247 Youtube 247