Marcelo Odebrecht delata Aécio: R$ 50 milhões

Articulador do golpe de 2016, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi alvo de mais uma delação: desta vez, de ninguém menos que Marcelo Odebrecht, que disse ter acertado um repasse de R$ 50 milhões para o presidente nacional do PSDB, em troca do apoio e da participação da Cemig e de Furnas no leilão de uma das usinas do Rio Madeira; político mais delatado na Lava Jato, Aécio é o alvo do maior número de inquéritos da chamada "lista de Janot"; em nota, ele afirmou que "é absolutamente falsa a pretensa acusação"; neste caso, a Odebrecht deve apresentar comprovantes de que pagou a propina a um operador de Aécio numa conta em Cingapura (foto de Marcelo Odebrecht por Giuliano Roman Gomes)

www.brasil247.com - Articulador do golpe de 2016, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi alvo de mais uma delação: desta vez, de ninguém menos que Marcelo Odebrecht, que disse ter acertado um repasse de R$ 50 milhões para o presidente nacional do PSDB, em troca do apoio e da participação da Cemig e de Furnas no leilão de uma das usinas do Rio Madeira; político mais delatado na Lava Jato, Aécio é o alvo do maior número de inquéritos da chamada "lista de Janot"; em nota, ele afirmou que "é absolutamente falsa a pretensa acusação"; neste caso, a Odebrecht deve apresentar comprovantes de que pagou a propina a um operador de Aécio numa conta em Cingapura (foto de Marcelo Odebrecht por Giuliano Roman Gomes)
Articulador do golpe de 2016, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi alvo de mais uma delação: desta vez, de ninguém menos que Marcelo Odebrecht, que disse ter acertado um repasse de R$ 50 milhões para o presidente nacional do PSDB, em troca do apoio e da participação da Cemig e de Furnas no leilão de uma das usinas do Rio Madeira; político mais delatado na Lava Jato, Aécio é o alvo do maior número de inquéritos da chamada "lista de Janot"; em nota, ele afirmou que "é absolutamente falsa a pretensa acusação"; neste caso, a Odebrecht deve apresentar comprovantes de que pagou a propina a um operador de Aécio numa conta em Cingapura (foto de Marcelo Odebrecht por Giuliano Roman Gomes) (Foto: Leonardo Attuch)


Minas 247 – O principal responsável pelo golpe parlamentar de 2016, que destruiu a economia e manchou a imagem do Brasil por demonstrar quão frágil é a nossa democracia, acaba de ser atingido por mais uma delação.  

Desta vez, de ninguém menos que Marcelo Odebrecht, dono da maior empreiteira do País, que disse ter acertado o pagamento de R$ 50 milhões ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) para garantir a entrada de duas estatais, a Cemig, controlada pelo governo mineiro, e a federal Furnas, num consórcio para a construção de uma das usinas do Rio Madeira, na Amazônia.

"Executivos que complementaram o depoimento de Marcelo afirmaram que a Odebrecht se comprometeu a pagar R$ 30 milhões, enquanto a Andrade Gutierrez se encarregou dos R$ 20 milhões restantes", informa reportagem de Bela Megale e Mario Cesar Carvalho.

Político mais delatado na Lava Jato, Aécio é o alvo do maior número de inquéritos da chamada "lista de Janot".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em nota, ele afirmou que "é absolutamente falsa a pretensa acusação".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste caso, porém, a Odebrecht deve apresentar comprovantes de que pagou a propina a um operador de Aécio numa conta em Cingapura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email