Merval inverte a lógica no embate STF-RS

Depois que o governador Tarso Genro foi ao STF para manter a decisão sobre a repartição dos royalties, apresentando um bom argumento, o de que o equilíbrio das finanças gaúchas também foi afetado por outras decisões do parlamento, colunista do Globo afirma que Congresso não consegue resolver seus problemas. Ora, o Congresso resolveu, decidiu e foi o Judiciário que invadiu a seara de um outro poder

Merval inverte a lógica no embate STF-RS
Merval inverte a lógica no embate STF-RS
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - À frente do lobby da Globo e do Rio de Janeiro pela concentração dos royalties do petróleo nas mãos de estados produtores, o jornalista Merval Pereira, do Globo, comenta a ação movida pelo Rio Grande do Sul no STF e inverte a lógica. Diz ele que o Judiciário entrou na questão porque o Congresso não consegue resolver suas questões. Ora, o Congresso agiu e, de forma soberana, decidiu redistribuir os royalties. Foi o Judiciário que invadiu a seara de outro poder. Leia, abaixo, a análise de Merval:

Guerra federativa - MERVAL PEREIRA 

Além do recurso interposto pela Mesa do Senado Federal contra a liminar concedida pela Ministra Cármen Lúcia na Ação direta de inconstitucionalidade (Adin) da Lei dos Royalties, três estados da Federação peticionaram requerendo a participação no feito como amicus curiae (amigos da Corte em latim), isto é, partes interessadas na causa. Dois deles, Paraíba e Alagoas, não trazem argumentos novos, mas a manifestação do Rio Grande do Sul, no entanto, introduz uma questão interessante, ainda que superficialmente, que pode ser um dado novo na discussão no Supremo.

Os gaúchos alegam que, em razão do recente julgamento pelo Supremo Tribunal Federal declarando inconstitucionais diversos dispositivos da PEC 62/2009 (a famigerada PEC do Calote), a situação do seu caixa estaria seriamente prejudicada. Por isso, não seria possível abrir mão dos recursos advindos das novas regras de repartição dos royalties do petróleo.

O STF considerou inconstitucionais dispositivos da PEC do Calote que permitiam parcelamento dos débitos em até 15 anos, realização de leilões de precatórios, correção dos títulos por índices que não recompõem a inflação do período e compensações em caso de dívida do credor com o poder público. Ou seja, indiretamente o estado do Rio Grande do Sul culpa o próprio Supremo por sua situação deficitária, na tentativa de sensibilizar os ministros quanto à questão dos royalties.

O estoque bilionário de precatórios do Rio Grande do Sul hoje perfaz a dívida de R$ 6,3 bilhões de reais. Na sua petição, o Rio Grande do Sul alega que o equilíbrio federativo ficará afetado se o Supremo, ao decidir sobre a nova divisão "mais justa" dos royalties, não levar em conta a situação financeira dos estados envolvidos.

"A relevância da matéria debatida é insofismável. Como constou da decisão que deferiu a medida cautelar na ADI 4917, proferida pela eminente Ministra Cármen Lúcia, a questão tem a seriedade própria dos grandes temas federativos. Não há dúvidas de que a atuação do Supremo Tribunal Federal nessas ações se dará não apenas na qualidade de guardião e intérprete maior da Constituição, mas também na magna função de árbitro Federação brasileira. Dai que os seus pronunciamento provocarão efeitos direitos e penetrantes nos arranjos intitucionais de absolutamente todos os entes federados ( para o bem ou para o mal)"

Tais efeitos, prossegue a petição, se verificarão de forma particularmente aguda no Rio Grande do Sul, "tendo em vista suas notórias e, infeliz?mente, já históricas dificuldades de caixa, que se exacerbarão em pouco tempo, como resultado do julgamento proferido nas ADIs 4357 e 4425, nas quais se declarou a inconstitucionalidade de boa parte da Emenda Constitucional 62/2009. (...) O Rio Grande do Sul não pode, destarte, prescindir dos recursos financeiros advindos da nova e mais justa repartição dos royalties do petróleo positiva da pela Lei 12.734/2012."

Especialistas acreditam que outros estados farão o mesmo pedido de ingresso no processo como amicus curiae, o que demonstra que a "guerra federativa" foi definitivamente deflagrada com a discussão dos royalties somada à forma de arrecadação do ICMS e à PEC do Calote. Há uma tendência no Supremo a considerar que o próprio Congresso deve?ria tratar desses assuntos, dentro de uma repactuação do Fundo de Participações de Estados e Municípios, mas sem ferir cláusulas pétreas da Constituição, como acontece com a mudança da Lei dos Royalties ou uma possível emenda constitucional para tentar alterar a distribuição dos royalties, caso, como se acredita, o Su?premo dê ganbo de causa aos estados produtores.

A incapacidade de o Congresso resolver seus próprios problemas é uma preocupação entre os minisuos do Supremo, que recusam a tese de que há uma "judicialização" da política ou um ativismo do Supremo.


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email