Messi perde pênalti e renuncia à seleção argentina

Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4-2) na final da edição do Centenário, neste domingo, em Nova Jersey, repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou seu primeiro título continental em casa; a frustração foi ainda maior para o craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'; depois do vexame, o craque anunciou que não joga mais pela Argentina: "Já deu, a seleção argentina acabou para mim"

Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4-2) na final da edição do Centenário, neste domingo, em Nova Jersey, repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou seu primeiro título continental em casa; a frustração foi ainda maior para o craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'; depois do vexame, o craque anunciou que não joga mais pela Argentina: "Já deu, a seleção argentina acabou para mim"
Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4-2) na final da edição do Centenário, neste domingo, em Nova Jersey, repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou seu primeiro título continental em casa; a frustração foi ainda maior para o craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'; depois do vexame, o craque anunciou que não joga mais pela Argentina: "Já deu, a seleção argentina acabou para mim" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

AFP - O Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4-2) na final da edição do Centenário, depois do empate sem gols om bola rolando, neste domingo, em Nova Jersey, repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou seu primeiro título continental em casa.

A diferença em relação à decisão de 2015 é que a frustração foi ainda maior para o craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'. No ano passado, o vilão tinha sido Higuaín, que também tinha chutado por cima.

O volante Lucas Biglia também errou, parando no goleiro Claudio Bravo, que acabou se tornando o herói do bicampeonato apesar de ter levado frangos monumentais na primeira fase.

Foi o terceiro vice-campeonato da Argentina em três anos, depois da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e da Copa América de 2015, no Chile.

Maradona tinha avisado: "se não ganharem essa, nem precisam voltar para casa". Para Messi, criticado recentemente por el Pibe de Oro por "não ter personalidade", a maldição parece não ter fim.

O desfecho foi cruel para o camisa 10, que brilhou nos Estados Unidos e se tornou o maior artilheiro da seleção argentina ao anotar seu 55º gols coma camisa 'alviceleste' na semifinal, mas falhou no pior momento e vai continuar sendo cobrado no seu país.

E não é por falta de motivação: o cinco vezes melhor do mundo já disse várias vezes que trocaria todos os seus prêmios individuais por um título com a Argentina.

Pela primeira vez desde o início do torneio, os 'Hermanos' entraram em campo com sua força máxima, com o retorno de Di María, que perdeu as última três partidas por sentir dores musculares. Messi e Biglia, que perderam o início da competição por lesão, também começaram jogando.

o Chile também ganhou 'reforços' de peso, ambos no meio de campo, com Diáz recuperado de lesão, e o astro Arturo Vidal, que cumpriu suspensão na semifinal.

A Argentina precisou de menos de trinta segundos para mostrar seu pode de fogo. No primeiro lance da partida, Banega avançou livre pelo meio e soltou a bomba de fora da área, raspando a trave de Claudio Bravo.

O início de jogo foi bastante intenso, com divididas ríspidas e muita pressão argentina sobre a saída de bola, impedindo o Chile de impor seu toque de bola.

Essa marcação pressão quase resultou em gol, aos 21. Higuaín desarmou Medel perto da área e deu um toque sutil por cima do goleiro, mas a bola saiu caprichosamente pela linha de fundo.

A equipe chilena que já não andava bem das pernas, ficou numa situação mais complicada aos 28, quando Marcelo Díaz foi expulso pelo árbitro brasileiro Héber Roberto Lopes ao levar o segundo cartão amarelo por uma trombada em Messi.

A 'Roja' se preparava para pelo menos uma hora inteira de sofrimento com um jogador a menos, mas a inferioridade numérica durou apenas 14 minutos. Aos 42, o lateral argentino Marcos Rojo levou vermelho direto por uma entrada dura em Vidal.

- Bravo redime Vargas e condena Messi -

A 10 contra 10, abriram-se mais espaços, favorecendo o jogo de passe chileno. Tanto que a Argentina praticamente não viu a cor da bola no início do segundo tempo.

O Chile chegava com muito perigo e Isla teve boas chance aos 11, ao pegar a sobra de uma bola mal afastada por Di María, mas não caprichou na pontaria.

No minuto seguinte o técnico argentino Gerardo 'Tata' Martino conseguiu equilibrar o jogo ao tirar Di María para a entrada de Matías Kranevitter, volante com mais poder de marcação.

As 24, foi a vez de Agüero entrar em campo, no lugar de Higuaín, e o atacante do Manchester City deu as caras três minutos depois, com um chute de fora da área que passou por cima.

O Chile continuou pressionando e teve ótima chance aos 34, quando Vargas recebeu longo lançamento na direita e finalizou sem ângulo, exigindo defesa difícil de Romero.

Aos 39, Agüero voltou a ameaçar a meta de Bravo. Em bela jogada individual, 'Kun' deu uma meia-lua no marcador e ficou cara a cara com o goleiro do Barcelona, mas errou o alvo novamente.

O jogo foi para a prorrogação e Agüero continuou sendo a principal arma dos 'Hermanos'. Aos 7, Messi cobrou falta na área e o atacante cabeceou com muito perigo, obrigando Bravo a se esticar todo para espalmar.

O Chile terminou o jogo sem Alexis Sánchez, que sentiu a coxa e deu lugar a Francisco Silva.

Faltando cinco minutos para o fim do jogo, estádio inteiro ficou na expectativa quando Agüero sofreu falta perto da área. Messi ajeitou a bola com carinho, como fez na semifinal, quando bateu o recorde de gols de Batistuta com a seleção argentina, mas sua cobrança desviou na barreira.

Na disputa de pênaltis, os dois craques de cada time começaram errando. Vargas parou na defesa de Romero e Messi isolou a bola na arquibancada.

Quem acabou sentindo o peso da falha foi o craque do Barça, já que Bravo defendeu a cobrança de Biglia e Francisco Silva acertou o chute decisivo que garantiu mais uma consagração da melhor geração da história do futebol chileno.

O Chile sagrou-se bicampeão da Copa América ao vencer a Argentina nos pênaltis (4-2) na final da edição do Centenário, depois do empate sem gols om bola rolando, neste domingo, em Nova Jersey, repetindo o roteiro do ano passado, quando conquistou seu primeiro título continental em casa.

A diferença em relação à decisão de 2015 é que a frustração foi ainda maior para o craque Lionel Messi, que isolou sua cobrança na disputa de pênaltis e falhou mais uma vez na tentativa de acabar com o incômodo jejum de 23 anos da 'alviceleste'. No ano passado, o vilão tinha sido Higuaín, que também tinha chutado por cima.

O volante Lucas Biglia também errou, parando no goleiro Claudio Bravo, que acabou se tornando o herói do bicampeonato apesar de ter levado frangos monumentais na primeira fase.

Foi o terceiro vice-campeonato da Argentina em três anos, depois da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e da Copa América de 2015, no Chile.

Maradona tinha avisado: "se não ganharem essa, nem precisam voltar para casa". Para Messi, criticado recentemente por el Pibe de Oro por "não ter personalidade", a maldição parece não ter fim.

O desfecho foi cruel para o camisa 10, que brilhou nos Estados Unidos e se tornou o maior artilheiro da seleção argentina ao anotar seu 55º gols coma camisa 'alviceleste' na semifinal, mas falhou no pior momento e vai continuar sendo cobrado no seu país.

E não é por falta de motivação: o cinco vezes melhor do mundo já disse várias vezes que trocaria todos os seus prêmios individuais por um título com a Argentina.

- Árbitro brasileiro protagonista -

AFP / Nicholas KammJogadores chilenos levantam o troféu da Copa América do Centenário, em 27 de junho, em Nova Jersey

Pela primeira vez desde o início do torneio, os 'Hermanos' entraram em campo com sua força máxima, com o retorno de Di María, que perdeu as última três partidas por sentir dores musculares. Messi e Biglia, que perderam o início da competição por lesão, também começaram jogando.

o Chile também ganhou 'reforços' de peso, ambos no meio de campo, com Diáz recuperado de lesão, e o astro Arturo Vidal, que cumpriu suspensão na semifinal.

A Argentina precisou de menos de trinta segundos para mostrar seu pode de fogo. No primeiro lance da partida, Banega avançou livre pelo meio e soltou a bomba de fora da área, raspando a trave de Claudio Bravo.

O início de jogo foi bastante intenso, com divididas ríspidas e muita pressão argentina sobre a saída de bola, impedindo o Chile de impor seu toque de bola.

Essa marcação pressão quase resultou em gol, aos 21. Higuaín desarmou Medel perto da área e deu um toque sutil por cima do goleiro, mas a bola saiu caprichosamente pela linha de fundo.

A equipe chilena que já não andava bem das pernas, ficou numa situação mais complicada aos 28, quando Marcelo Díaz foi expulso pelo árbitro brasileiro Héber Roberto Lopes ao levar o segundo cartão amarelo por uma trombada em Messi.

A 'Roja' se preparava para pelo menos uma hora inteira de sofrimento com um jogador a menos, mas a inferioridade numérica durou apenas 14 minutos. Aos 42, o lateral argentino Marcos Rojo levou vermelho direto por uma entrada dura em Vidal.

- Bravo redime Vargas e condena Messi -

A 10 contra 10, abriram-se mais espaços, favorecendo o jogo de passe chileno. Tanto que a Argentina praticamente não viu a cor da bola no início do segundo tempo.

O Chile chegava com muito perigo e Isla teve boas chance aos 11, ao pegar a sobra de uma bola mal afastada por Di María, mas não caprichou na pontaria.

No minuto seguinte o técnico argentino Gerardo 'Tata' Martino conseguiu equilibrar o jogo ao tirar Di María para a entrada de Matías Kranevitter, volante com mais poder de marcação.

As 24, foi a vez de Agüero entrar em campo, no lugar de Higuaín, e o atacante do Manchester City deu as caras três minutos depois, com um chute de fora da área que passou por cima.

O Chile continuou pressionando e teve ótima chance aos 34, quando Vargas recebeu longo lançamento na direita e finalizou sem ângulo, exigindo defesa difícil de Romero.

Aos 39, Agüero voltou a ameaçar a meta de Bravo. Em bela jogada individual, 'Kun' deu uma meia-lua no marcador e ficou cara a cara com o goleiro do Barcelona, mas errou o alvo novamente.

O jogo foi para a prorrogação e Agüero continuou sendo a principal arma dos 'Hermanos'. Aos 7, Messi cobrou falta na área e o atacante cabeceou com muito perigo, obrigando Bravo a se esticar todo para espalmar.

O Chile terminou o jogo sem Alexis Sánchez, que sentiu a coxa e deu lugar a Francisco Silva.

Faltando cinco minutos para o fim do jogo, estádio inteiro ficou na expectativa quando Agüero sofreu falta perto da área. Messi ajeitou a bola com carinho, como fez na semifinal, quando bateu o recorde de gols de Batistuta com a seleção argentina, mas sua cobrança desviou na barreira.

Na disputa de pênaltis, os dois craques de cada time começaram errando. Vargas parou na defesa de Romero e Messi isolou a bola na arquibancada.

Quem acabou sentindo o peso da falha foi o craque do Barça, já que Bravo defendeu a cobrança de Biglia e Francisco Silva acertou o chute decisivo que garantiu mais uma consagração da melhor geração da história do futebol chileno.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247