Ministério Público volta a conversar com Valério sobre delação

Esnobado inicialmente pelo Ministério Público Federal e pelo do Estado de Minas Gerais, Marcos Valério acabou fechando um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal; agora, procuradores do MP mineiro voltaram a conversar com o publicitário sobre uma eventual delação: Valério foi ouvido pelo promotor Leonardo Barbabela como testemunha em um inquérito civil; segundo ele, Barbabela disse haver interesse na colaboração sobre investigações em curso na Promotoria; O MP de Minas confirma o encontro, mas nega conversa sobre delação

Esnobado inicialmente pelo Ministério Público Federal e pelo do Estado de Minas Gerais, Marcos Valério acabou fechando um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal; agora, procuradores do MP mineiro voltaram a conversar com o publicitário sobre uma eventual delação: Valério foi ouvido pelo promotor Leonardo Barbabela como testemunha em um inquérito civil; segundo ele, Barbabela disse haver interesse na colaboração sobre investigações em curso na Promotoria; O MP de Minas confirma o encontro, mas nega conversa sobre delação
Esnobado inicialmente pelo Ministério Público Federal e pelo do Estado de Minas Gerais, Marcos Valério acabou fechando um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal; agora, procuradores do MP mineiro voltaram a conversar com o publicitário sobre uma eventual delação: Valério foi ouvido pelo promotor Leonardo Barbabela como testemunha em um inquérito civil; segundo ele, Barbabela disse haver interesse na colaboração sobre investigações em curso na Promotoria; O MP de Minas confirma o encontro, mas nega conversa sobre delação (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - No dia 8 de agosto, o publicitário Marcos Valério deixou a Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado), em Sete Lagoas (MG), onde cumpre pena de mais de 37 anos de prisão, para prestar depoimento ao Ministério Público de Minas Gerais.

Valério assinou, em julho, um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal. Ele detalha informações sobre o mensalão petista, revelado em 2002, e sobre o mensalão tucano, de 1998.

A proposta havia sido negada pelo MP. Há um ano, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chegou a enviar dois representantes a BH para ouvir o publicitário, que implicou políticos com foro privilegiado.

O acordo, contudo, não prosperou nem na esfera federal nem na estadual. Em março deste ano, a Promotoria informou não ter interesse nas informações de Valério. Isso agora mudou.

Na visita ao MP estadual, Valério foi ouvido pelo promotor Leonardo Barbabela como testemunha em um inquérito civil.

Segundo ele, Barbabela disse haver interesse na colaboração sobre investigações em curso na Promotoria.

As apurações dizem respeito a pagamento de propina a ex-presidentes da Assembleia de Minas.

Valério não topou colaborar com o promotor e disse já ter acertado com a PF. O MP de Minas confirma o encontro, mas nega conversa sobre delação.

As informações são de reportagem de Carolina Linhares na Folha de S.Paulo.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247