Mônica Iozzi denuncia assédio de ACM Neto

A atriz Monica Iozzi subiu ao palco da Casa Tpm e lotou o salão e dividiu com a plateia os caminhos que fizeram ela se descobrir feminista. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade”

A atriz Monica Iozzi subiu ao palco da Casa Tpm e lotou o salão e dividiu com a plateia os caminhos que fizeram ela se descobrir feminista. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade”
A atriz Monica Iozzi subiu ao palco da Casa Tpm e lotou o salão e dividiu com a plateia os caminhos que fizeram ela se descobrir feminista. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade” (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Revista Trip

Monica Iozzi subiu ao palco da Casa Tpm e lotou o salão e dividiu com a plateia os caminhos que fizeram ela se descobrir feminista. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade.”

A atriz e humorista dividiu com uma platéia lotada os caminhos que a fizeram se descobrir feminista e chamou atenção para a violência contra as mulheres no Brasil. “Somos o quinto país do mundo que mais mata mulheres, morrem mais mulheres aqui do que na guerra da Síria”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247