Monteiro: maioria do PTB será contra impeachment

Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, disse que o seu partido, o PTB, não enxerga requisitos constitucionais para o impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Se o nosso entendimento, claramente, é que não há razões para o impedimento, tendo em vista o não atendimento, a nosso juízo, de requisitos constitucionais, é evidente que o PTB tem de se colocar contra o impeachment. Tenho certeza que corresponderá à vontade majoritária da bancada", disse o ministro nesta quinta-feira

Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, disse que o seu partido, o PTB, não enxerga requisitos constitucionais para o impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Se o nosso entendimento, claramente, é que não há razões para o impedimento, tendo em vista o não atendimento, a nosso juízo, de requisitos constitucionais, é evidente que o PTB tem de se colocar contra o impeachment. Tenho certeza que corresponderá à vontade majoritária da bancada", disse o ministro nesta quinta-feira
Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, disse que o seu partido, o PTB, não enxerga requisitos constitucionais para o impeachment da presidente Dilma Rousseff; "Se o nosso entendimento, claramente, é que não há razões para o impedimento, tendo em vista o não atendimento, a nosso juízo, de requisitos constitucionais, é evidente que o PTB tem de se colocar contra o impeachment. Tenho certeza que corresponderá à vontade majoritária da bancada", disse o ministro nesta quinta-feira (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Mariana Branco, repórter da Agência Brasil - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse hoje (10) que, no entendimento do seu partido, o PTB, não há requisitos constitucionais para o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. "Se o nosso entendimento, claramente, é que não há razões para o impedimento, tendo em vista o não atendimento, a nosso juízo, de requisitos constitucionais, é evidente que o PTB tem de se colocar contra o impeachment. Tenho certeza que corresponderá à vontade majoritária da bancada", afirmou.

Monteiro deu as declarações nesta quinta-feira após participar do Fórum Estadão sobre Exportações, em São Paulo. Segundo ele, o Congresso Nacional precisa dar atenção à pauta econômica.

"Espero que o Congresso, paralelamente a essa pauta política que precisa ser resolvida, possa se voltar para questões que afetam diretamente a economia. Desde medidas do ajuste fiscal de curto prazo, como a DRU [Desvinculação das Receitas da União], à repatriação [de recursos no exterior] e à CPMF [Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira], além de questões mais estruturantes como a reforma do ICMS e do PIS/Cofins. O governo está empenhado, mas é preciso que o Congresso delibere".

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitou pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff na quarta-feira (2).

Apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale e Janaína Paschoal, o documento cita como motivos para o impedimento os atrasos de repasses a bancos públicos e a edição de decretos liberando recursos sem a aprovação do Congresso.

No mesmo dia, o Congresso aprovou a nova meta fiscal, o que, para o governo, enfraquece a argumentação a favor do impeachment.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email