MP pede inclusão de servidores na ação do cartel

Pela terceira vez, Promotoria ataca a ação judicial iniciada pela Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo: “é açodada e incorreta” porque não indicou os acusados da prática de corrupção; três secretários do governo do Estado são citados como destinatários do suborno: o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, o secretário de Energia, José Aníbal e o hoje secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM)

Pela terceira vez, Promotoria ataca a ação judicial iniciada pela Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo: “é açodada e incorreta” porque não indicou os acusados da prática de corrupção; três secretários do governo do Estado são citados como destinatários do suborno: o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, o secretário de Energia, José Aníbal e o hoje secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM)
Pela terceira vez, Promotoria ataca a ação judicial iniciada pela Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo: “é açodada e incorreta” porque não indicou os acusados da prática de corrupção; três secretários do governo do Estado são citados como destinatários do suborno: o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, o secretário de Energia, José Aníbal e o hoje secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM) (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Pela terceira vez, o Ministério Público Estadual atacou a ação judicial do governo paulista contra as empresas acusadas de formação de cartel em licitações de trens e metrô em governos tucanos de SP, desde Mario Covas (1998).

A Promotoria diz que a ação judicial iniciada pela PGE (Procuradoria-Geral do Estado), órgão criado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), é "açodada e incorreta" pois não indicou os acusados da prática de corrupção; pede a inclusão de funcionários públicos e ex-servidores suspeitos de receberem propinas para favorecer as companhias.

O esquema de cartel pode ter pago mais de R$ 197 milhões em propina. A informação consta no depoimento da testemunha-chave da investigação, o ex-diretor da multinacional Siemens Everton Rheinheimer.

Três secretários do governo Geraldo Alckmin (PSDB) são citados como destinatários do suborno: o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, o secretário de Energia, José Aníbal e o hoje secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email