MPE apura irregularidades na previdência

O município de Barra de Santo Antônio, no litoral Norte de Alagoas, está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por supostas irregularidades na gestão do regime próprio de previdência social; suspeita é de que valores descontados dos servidores a título de contribuição não teriam sido repassados; Prefeitura tem dez dias para apresentar explicações sobre pendências  

O município de Barra de Santo Antônio, no litoral Norte de Alagoas, está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por supostas irregularidades na gestão do regime próprio de previdência social; suspeita é de que valores descontados dos servidores a título de contribuição não teriam sido repassados; Prefeitura tem dez dias para apresentar explicações sobre pendências
 
O município de Barra de Santo Antônio, no litoral Norte de Alagoas, está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por supostas irregularidades na gestão do regime próprio de previdência social; suspeita é de que valores descontados dos servidores a título de contribuição não teriam sido repassados; Prefeitura tem dez dias para apresentar explicações sobre pendências   (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um procedimento preparatório de inquérito civil público para apurar e colher mais informações sobre supostas irregularidades na gestão do regime próprio de previdência social do município da Barra de Santo Antônio, no Litoral Norte de Alagoas. Os valores descontados dos servidores em título de contribuição não teriam sido repassados.

A medida é referente ao ano de 2013 e já houve solicitação, por parte da promotoria, em 30 de julho de 2015, para que a Prefeitura da Barra de Santo Antônio apresentasse, no prazo de 15 dias, esclarecimentos a respeito do assunto, o que até então não aconteceu.

Com o procedimento preparatório de inquérito civil, o Ministério Público pretende apurar e complementar as informações apresentadas. O município tem agora dez dias para se manifestar a respeito dos fatos alegados na representação, assim como apresentar documentos que comprovem a regularidade no recolhimento de contribuições patronais e o repasse da contribuição dos servidores para o regime de previdência próprio. 

A prefeitura também deve justificar a pendência no comprovante de repasse referente ao exercício de 2013. O procedimento preparatório de inquérito civil foi assinado pelo promotor de Justiça Marllisson Andrade Silva.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247