Na Rússia, José Eliton e comitiva visitam parque tecnológico

Goiás quer aprofundar iniciativas no setor de ciência, tecnologia e inovação para alcançar novos estágios de crescimento econômico e, em Moscou, a missão empresarial e governamental conheceu na manhã desta quarta-feira a experiência da Fundação Skolkovo, o maior parque tecnológico em construção na Rússia; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, e comitiva foram recebidos pelo vice-presidente do Cluster de Biomedicina, Kirill Kaem, que fez exposição sobre objetivos e resultados da instituição

Goiás quer aprofundar iniciativas no setor de ciência, tecnologia e inovação para alcançar novos estágios de crescimento econômico e, em Moscou, a missão empresarial e governamental conheceu na manhã desta quarta-feira a experiência da Fundação Skolkovo, o maior parque tecnológico em construção na Rússia; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, e comitiva foram recebidos pelo vice-presidente do Cluster de Biomedicina, Kirill Kaem, que fez exposição sobre objetivos e resultados da instituição
Goiás quer aprofundar iniciativas no setor de ciência, tecnologia e inovação para alcançar novos estágios de crescimento econômico e, em Moscou, a missão empresarial e governamental conheceu na manhã desta quarta-feira a experiência da Fundação Skolkovo, o maior parque tecnológico em construção na Rússia; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, e comitiva foram recebidos pelo vice-presidente do Cluster de Biomedicina, Kirill Kaem, que fez exposição sobre objetivos e resultados da instituição (Foto: José Barbacena)

Goiás 247 - O Estado de Goiás quer aprofundar iniciativas no setor de ciência, tecnologia e inovação para alcançar novos estágios de crescimento econômico e, em Moscou, a missão empresarial e governamental conheceu na manhã desta quarta-feira (24) a experiência da Fundação Skolkovo, o maior parque tecnológico em construção na Rússia. O vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, e comitiva foram recebidos pelo vice-presidente do Cluster de Biomedicina, Kirill Kaem, que fez exposição sobre objetivos e resultados da instituição.

O parque tecnológico russo fica a 15 km de Moscou, em uma área de 400 hectares, que terá ao todo 2,5 milhões de metros quadrados construídos. No complexo, previsto para ficar pronto em 2020, funcionará uma cidade tecnológica, com universidade, laboratórios, incubadoras de empresas, startups, além de conjuntos habitacionais, escolas, centros comerciais, de medicina e de recreação. A previsão é que Skolkovo seja moradia para 25 mil pessoas e local de trabalho, estudo e pesquisa para outras 30 mil.

“Queremos agregar conceitos para proporcionar maior eficiência ao processo econômico”, declarou José Eliton ao se declarar impressionado com o conjunto de fatores que colocam Skolkovo em primeiro lugar dentre todos os tecnoparques do mundo. Ele informou aos dirigentes locais que pretende estabelecer agenda de contatos entre organismos de Goiás que lidam diretamente com conhecimento e os cientistas da fundação russa. Defendeu intercâmbio que englobe a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), Universidade Estadual de Goiás (UEG), Emater, gestores de ciência, tecnologia e inovação, indústria e comércio da SED.

Na apresentação, Eliton relatou os esforços do governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, no sentido de construir e fortalecer parques e condomínios industriais, incentivar a pesquisa e a inovação. Citou Goiás como segundo maior polo fármaco do País, destacou a permanente evolução do Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia) que engloba grandes empresas, citou as políticas de atração de investimentos e a determinação do governador Marconi Perillo em internacionalizar cada vez mais o Estado. “Queremos aperfeiçoar nossas iniciativas e aprender com as experiências da Rússia”, disse.

O vice-presidente do Cluster de Biomedicina, da Fundação Skolkovo, Kirill Kaem, relatou a trajetória do centro científico. É uma organização sem fins lucrativos fundada pelo governo russo em setembro de 2010 com objetivos de mobilizar recursos para investigação avançada e aplicada, bem como criar um ambiente propício à pesquisa científica em cinco áreas prioritárias do progresso tecnológico: nuclear, espacial e telecomunicação, informação, energia, ciências biomédicas e farmacológicas. Estes dois últimos, fez questão de acentuar Kaem, “sei que interessam diretamente Goiás”. Ele disse ainda que o complexo gostaria de contar com as experiências da empresa brasileira Embrapa. Os presidentes da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Pedro Alves, e executivo do Sindicato das Indústrias Farmacêuticas no Estado de Goiás, Marçal Henrique Soares, comandaram as interlocuções técnicas.

O cientista russo relatou que a fundação já gerou dois prémios Nobel. Somente em 2014, houve 144 solicitações para propriedade intelectual. E relatou números expressivos: 1.200 startups (empresas iniciantes de tecnologia), 2 mil propostas para patentes, 50 convênios com parceiros gigantes, mil solicitações de estrangeiros em diferentes esferas de conhecimento, 240 projetos em biomedicina, US$ 2,2 bilhões de faturamento privado, US$ 10 milhões de subsídios científicos, investimentos totais projetados de US$ 25 bilhões. Dentre as solicitações, apenas 20% passam pela expertise do órgão.

O complexo fará a integração entre startups, investidores, universidade, parque tecnológico, parceiros empresariais e comerciais além de instituições promotoras de soluções de infraestrutura. A fundação oferece isenções fiscais, burocracia simplificada, acesso a venture capital, exposição na mídia e aportes que podem chegar a 100% do capital da empresa em estágio inicial.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247