“Não existe política partidária, miúda...”

Ministro da Integrao Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), rechaa favorecimento a Pernambuco e lembra que o Estado sofreu um dos maiores acidentes naturais do Pas, em 201o, com enchentes na regio da Zona da Mata Sul.

“Não existe política partidária, miúda...”
“Não existe política partidária, miúda...” (Foto: Valter Campanato/ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Raphael Coutinho_PE247 – O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), negou veementemente a existência de qualquer tipo de favorecimento a Pernambuco, seu Estado de origem, nos repasses da pasta em 2011. Durante entrevista coletiva, concedida na tarde desta quarta-feira (6), o socialista também rechaçou o suposto benefício partidário que poderia estar sendo concedido à administração do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que preside nacionalmente o PSB.

“Não existe política partidária, miúda, pequena. Não posso aceitar discriminação contra nenhum estado, não se pode discriminar Pernambuco por ser o estado do ministro, não é correto”, defendeu-se Fernando Bezerra Coelho. “Pernambuco estava com projetos prontos, porque teve um dos maiores acidentes naturais da história deste país em 2010. Mais de 18 mil famílias foram desabrigadas ou desalojadas, mais de 80 mil pessoas foram atingidas, hospitais, escolas, pontes foram destruídos”, justificou.

O ministro ainda fez questão de ressaltar que a maior parte dos investimentos do Governo Federal em ações deste tipo é feita através do Ministério das Cidades. “Não se pode fazer a leitura dos investimentos de prevenção fazendo apenas a leitura os recursos da Sedec (Secretaria Nacional de Defesa Civil), isso não é dizer toda a verdade”, pontuou, completando: “A verdade inteira é que os recursos de prevenção do governo estão, de forma muito mais ampla, no Ministério das Cidades, que tem R$ 11 bilhões para seleção de projetos relativos à prevenção, principalmente para proteção de morros e reforços de encostas”.

Fernando Bezerra estava de férias, na praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco, e voltou, para Brasília, às pressas para esclarecer os questionamentos que vem recebendo. O gestor justificou que, além das explicações que se faziam necessárias no momento, ele precisa retornar para falar sobre a situação de Minas Gerais, Estado mais castigado pelas chuvas neste início de 2012.

“Em função da intensificação do quadro de chuvas, principalmente em Belo Horizonte, e após conversar por telefone com secretário Humberto Viana (secretário nacional de Defesa Civil), e com a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil), tomamos a decisão de voltar a Brasília para checar todo o trabalho que deixamos encaminhado”, justificou.

O grande questionamento feito, no momento, ao ministro diz respeito à destinação de 90% do orçamento total antienchete do Ministério da Integração Nacional, de 2011, para Pernambuco.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email