"Não vamos ficar em silêncio", diz Lewis Hamilton após pedir prisão de policiais que mataram americana negra

Após vencer o GP da Toscana (Itália), o piloto da Fórmula 1 Lewis Hamilton cobrou a prisão dos policiais que assassinaram a mulher negra Breonna Taylor, nos EUA. "Não vamos ficar em silêncio", afirmou o inglês

Lewis Hamilton e Breonna Taylor
Lewis Hamilton e Breonna Taylor (Foto: Reprodução/Twitter | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após vencer o GP da Toscana, o piloto da Fórmula 1 Lewis Hamilton arriou o macacão e vestiu uma camisa com os dizeres "Prendam os policiais que mataram Breonna Taylor", em referência à jovem americana assassinada por policiais em março deste ano, nos Estados Unidos. "Já se passaram 6 meses desde que Breonna Taylor foi assassinada por policiais, em sua própria casa. Nenhuma justiça foi feita ainda. Não vamos ficar em silêncio", afirmou o hexacampeão mundial. Os relatos foram publicados pelo Globo Esporte, no portal G1

Policiais do Departamento de Polícia Metropolitana de Louisville (EUA) assassinaram Breonna Taylor a tiros, quando ela estava dentro de seu apartamento com o namorado Kenneth Walker. Havia um mandado contra ele por suposto narcotráfico. Agentes alegaram que Walker atirou primeiro, o que é contestado pela família de Breonna. Kenetth se feriu e Taylor levou oito tiros.

O piloto tem usado nos fins de semana de corrida uma camisa com os dizeres "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam", em português) com o objetivo de protestar contra o racismo, e desta vez, usou esta outra camisa para lembrar de Breonna Taylor. O inglês negou que isso é uma mudança na sua campanha antirracista.

"Não é uma grande mudança. Você ainda está lutando contra a mesma coisa. Levei muito tempo para conseguir aquela camisa. Tenho vontade de vestir isso e chamar a atenção para o fato de que tem gente por aí sendo morta na rua. E então tem alguém que foi morta em sua própria casa, eles estavam na casa errada, e aqueles caras ainda estão andando livres. Não podemos descansar, temos de continuar a conscientizar sobre isso".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247