CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Geral

Nem GPS se localiza no trânsito de Goiânia

Além de encarar as filas imensas, a quantidade enorme de veículos e a falta de sinalização, motorista sofre para se situar em bairros onde ruas chegam a ter até quatro nomes diferentes; taxistas e setor hoteleiro reclamam mais cuidado com a sinalização vertical; mudança constante de nomes de vias irrita motoristas

Nem GPS se localiza no trânsito de Goiânia (Foto: Edição/247)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Goiás 247_ Andar pelo trânsito virou uma luta mais que inglória. Não bastassem encarar muitas vezes as ruas esburacadas, a fila imensa de carros, os motoristas precisam ter concentração e, principalmente, atenção para não se perderem. Pois, existem ruas que possuem até dois, três ou até quatro nomes diferentes – como já mostrou reportagem do jornal O Popular. Sendo assim, nem mesmo o recurso eletrônico do GPS consegue por sentido num trânsito caótico e quem sofre é o motorista.

Com um GPS à disposição fica mais fácil constatar a confusão. A Avenida Aderup, um dos mais importantes centros comerciais da cidade, já foi batizada com outros cinco nomes ao largo de sua extensão. Ela começa na Vila Canaã – onde há um dos mais graves pontos de estrangulamento do trânsito de Goiânia – transforma-se em avenida Armando de Godoy na altura da Cidade Jardim e, ao entrar na Vila Santo Afonso, já ganha o nome de Pio XII. A homenagem ao papa é curta: termina no cruzamento com a avenida Dom Emanuel, onde a partir de então a avenida é chamada de Dom Vital.

E tem mais. A via, uma das mais importantes da Capital, de forma repentina perde o status de avenida e se transforma em rua (Rua Treze). Percebe isso qualquer motorista que trafegar em direção ao setor Rodoviário. De uma hora para outra e sem qualquer aviso, volta a ser avenida – Avenida Dom Eduardo, e também sem aviso se transforma em avenida Mato Grosso do Sul. A desordem só acaba quando termina também a rua, no cruzamento com a Perimetral Norte, na altura do setor Perim.

Em uma das ruas que cruzam a avenida, a desinformação se repete e até o GPS se confunde. A rua Itauçu, no conjunto Morada Nova, tem menos de 1 km. E ela também coleciona dois nomes. O motorista também pode localizá-la no mapa ou no aparelho como rua da Alegria.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Até taxistas se perdem 

Dependendo da pressa, a melhor opção é pegar um taxi. Mas o passageiro ainda vai precisar contar com a sorte de pegar um motorista experiente, que saiba chegar com rapidez ao local desejado.

Sorte de quem encontra o carro do taxista José Carlos Coimbra, que está há 25 anos na profissão. Mas mesmo com experiência de sobra, ele admite que às vezes fica perdido e afirma que Goiânia é um “verdadeiro labirinto”, complicando a vida dos moradores e turistas. “A prefeitura é acomodada, não toma providências e quem sofre são os próprios moradores que quando saem para outro bairro se perdem, chegando atrasado ao destino. Tem que ter uma mudança”, afirma.

Juan Carlos Silva Catúlia é há mais de dez anos e perde as contas ao enumerar as várias ruas e avenidas que têm mais de um nome em Goiânia. Cita, por exemplo, a antiga Avenida Z, que há um tempo teve o nome alterado para Avenida Esmerino de Carvalho. ’’O nome dessa avenida mudou há um bom tempo, mas até hoje as pessoas confundem e se perdem. Entendo que essas mudanças de nome não são positivas para o goianiense”, diz.

De acordo com Juan Carlos, a tarefa de se localizar fica ainda mais complicada porque a prefeitura não instala placas para orientar os condutores. “Quem anda pelos bairros da cidade reclama que faltam placas e que, quando elas existem, ou estão em péssimo estado de conservação ou em lugar impróprio”, afirma.

Na opinião do taxista, a prefeitura de Goiânia precisa “melhorar e muito” a sinalização vertical da cidade. “Algumas placas são difíceis de ver porque estão escondidas. Outras são pequenas”, avalia.

Rede hoteleira reclama

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O setor hoteleiro tenta encontrar saídas para não ter aborrecimentos os turistas. O recepcionista Vinícius Viana trabalha há cinco anos em uma rede de hotel na Capital. Ele conta que há muitos turistas que tentam se guiar pelo GPS a partir do aeroporto, mas se perdem nas ruas. “A reclamação dos hóspedes está virando uma prática constante, causando frustração e stress ao turista. É desgastante receber um cliente assim, isso é um ponto negativo para Goiânia”.

Na opinião de Vinicius, falta interesse por parte do poder público em facilitar a vida da população. ”O poder público tem uma visão muito limitada de Goiânia, ainda temos uma cultura provinciana, para mim isso só vai ser mudado em algumas décadas”, comenta.

 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO