Obesidade abdominal. Por que as mulheres (e os homens) ganham barriga na meia idade

Na menopausa, uma enzima desencadearia o armazenamento das gorduras. Mas as causas principais da gordura permanecem: alimentação desequilibrada e fala de exercício físico.

Obesidade abdominal. Por que as mulheres (e os homens) ganham barriga na meia idade
Obesidade abdominal. Por que as mulheres (e os homens) ganham barriga na meia idade
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 

Por Damien Mascret - Le Figaro

 

Na menopausa, a distribuição das gorduras se modifica no corpo das mulheres: menos nas coxas ou nas nádegas e mais no abdômen, dando origem ao que os médicos chamam de obesidade abdominal. É uma injustiça flagrante, mas isso pode mudar em breve. Pesquisadores americanos publicaram no último número da revista internacional “Diabetes”,  com comprovação em ratos, que uma enzima, a ALDH1A1,  talvez seja a chave do mistério. Quando esta enzima é removida em um rato geneticamente modificado, mesmo sendo uma fêmea submetida a uma dieta rica em gorduras, ela não engorda. Por isso, o sonho de bloquear a enzima encontra uma primeira chance de se tornar realidade.

Existem dois tipos de obesidade abdominal: a que se produz logo abaixo da pele, a obesidade subcutânea, considerada menos perigosa para a saúde e a que se produz em profundidade até o fundo da barriga, a obesidade visceral, que desempenha um papel importante em muitas doenças, incluindo o diabetes, as doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer (cólon, mama). Antes da menopausa, a atividade da enzima responsável pela obesidade visceral é dificultada por hormônios femininos.

No último mês de junho, o Prof. Jorge Plutzky e sua equipe de Harvard (Estados Unidos) destacaram também na revista Nature Medicine as implicações terapêuticas da enzima ALDH1A1 na plasticidade dos adipócitos, as células que armazenam gorduras. A universidade de Ohio, por sua vez, já testou com êxito as células sem ALDH1A, inseridas no abdômen do rato, de modo a promover o consumo de gorduras.

Podemos extrapolar isso a partir dos ratos para as mulheres? A médica Ouliana Ziouzenkova, professora de nutrição na Universidade de Ohio (Estados-Unidos), que lidera essas pesquisas, revelou seu otimismo ao Le Figaro: «Por um lado, a enzima ALDH1A1 é expressa do mesmo modo nas mulheres e nos ratos. Por outro lado, as mulheres obesas têm mais enzimas que aquelas com peso normal.»

Reduzir as calorias

Esquematicamente, o organismo tem duas opções no que diz respeito às gorduras trazidas pela alimentação: ou ele as queima ou as armazena. A equipe de Ziouzenkova descobriu porque o corpo feminino queima menos gordura na menopausa: «Com o fim do bloqueio da ALDH1A1, as células adiposas começam a armazenar gorduras em vez de queimá-las », ela explica. Para a Dra. Juliane Berdah, ginecologista, endocrinologista e nutricionista em Paris, é, sobretudo, o local de armazenamento que muda, com a idade, as gorduras se distribuem mais facilmente na cintura abdominal.

E os homens? Também eles gradualmente fabricam cada vez mais gordura abdominal, subcutânea e visceral com a idade, uma vez que nos dias de hoje os idosos costumam ter dieta muito rica aliada à falta de atividade física. Com isso, as diversas enzimas da família ALDH nunca são neutralizadas devido à ausência de estrogênios.

«Todo mundo está à procura do medicamento que vai retirar a gordura da barriga e estes trabalhos são interessantes. Mas é preciso ter cuidado, pois até agora estamos trabalhando com ratos, e não com pessoas humanas», observa a Dra. Juliane Berdah. Ela  recorda que «sozinha, a atividade física já permite purificar a gordura visceral ». Outra pergunta levantada pela especialista: «A ALDH1 é uma enzima encontrada em todo o organismo, não sabemos o que pode acontecer se tentarmos bloquear a enzima no abdômen.»

A mesma preocupação é colocada pelo Prof. Jean-Michel Lecerf, do Instituto Pasteur e do Hospital Universitário de Lille: «Há muitos outros sistemas enzimáticos, hormonais e metabólicos envolvidos na obesidade. É interessante tratar especificamente a obesidade abdominal, mas não podemos concluir isso muito rapidamente. Por enquanto, recomenda-se especialmente reduzir as calorias em sua totalidade e ser fisicamente ativo.»

Exercício físico, um trunfo importante

O ganho de peso excessivo não é inevitável. As mulheres têm um trunfo importante para evitá-lo: o exercício físico regular. «As mudanças corporais associadas à idade são evitáveis através da manutenção de uma atividade física regular, explica a Dra. Berdah. Um desses estudos mostrou que as mulheres que estão na menopausa há uns dez-doze anos e que continuam a jogar tênis, são mais magras e musculosas do que as sedentárias. Elas mantêm seu peso, sua massa muscular e sua silueta. Neste estudo, as sedentárias têm 8 kg a mais, com uma localização de gordura principalmente na parte abdominal.» A atividade física regular não serve apenas para melhorar a morfologia. Ela permite reduzir o risco cardiovascular, a osteoporose e tem efeito protetor contra o câncer de mama …

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email