CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Geral

Obrigado, Ronaldo!

Fenmeno faz sua despedida da seleo brasileira nesta tera-feira, contra a Romnia, no Pacaembu. Relembrenove grandes momentos que marcaram a carreira do maior artilheiro das Copas do Mundo e um dosgrandes dolos nacionais

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Márcio Kroehn_247 – Quando alguém, no futuro, perguntar por que Ronaldo é um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, diga que ele foi, sem medo de errar, um Fenômeno. Mas não um fenômeno como Pelé, que fez 1.281 gols na carreira em 1.363 partidas e foi o jogador mais completo dentro dos gramados; nem um mágico, como o argentino Diego Maradona, que, como um saci, driblava, chutava, passava e encantava com uma perna só; muito menos um gênio cerebral, como o alemão Franz Beckenbauer; ou um maestro como Zinedine Zidane, que desbancou Michel Platini como o maior atleta francês. Ronaldo foi um fenômeno do renascimento.

Nos seus 18 anos de carreira, sua vida esportiva foi da euforia à depressão muitas vezes. Ronaldo balançou tanto as redes adversárias como frequentou o departamento de fisioterapia dos sete clubes pelos quais passou. No seu pior momento, em 2000, o mundo inteiro acompanhou, ao vivo, o seu sofrimento em pleno gramado italiano. E com o zoom da câmera na rótula se desprendendo do joelho direito. Uma cena de filme de terror, que parecia leva-lo ao fim dos dias esportivos. Mas desse inferno, Ronaldo encontrou forças para subir ao céu com o título na Copa do Mundo de 2002. Foi assim que o mito se aproximou dos mortais e mostrou que ele era tão de carne e osso como cada um de nós, que errava, acertava, lutava, caía e se levantava.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cruzeiro, PSV, Internazionale, Barcelona, Milan, Real Madrid e Corinthians. Ronaldinho virou Ronaldo, que se transformou na maior estrela do moderno futebol. Já em 1993, foi um dos primeiros jogadores a assinar um milionário contrato com uma marca de material esportivo, praticamente sem data de validade. A Nike, que só tinha olhos para o basquete, colocava Ronaldo no mesmo nível de Michael Jordan. Era uma das primeiras apostas da marca americana no “soccer”. E não teve motivos para se arrepender. Como poucos, Ronaldo entendeu sua missão de ídolo do esporte. Nunca se identificou apenas com um time, mas com os torcedores que o idolatravam. Sem distinção de cores, vestiu a camisa de equipes rivais e não recebeu o ódio como resposta. Ser Ronaldo era uma desculpa para qualquer raiva apaixonada.

Com a seleção brasileira, ele é o maior depois de Pelé. Fez 62 gols em 97 partidas, participou de três finais consecutivas de Copas do Mundo, ganhou dois títulos e é o maior artilheiro da competição com 15 gols. Ao todo, ele marcou 414 gols em 614 jogos na carreira, conquistou três títulos de melhor jogador da Fifa e foi eleito o melhor jogador da Copa de 98. Ronaldo, o fenômeno do renascimento, certamente não será reconhecido pelos grandes números. Ele terá sua história contada em grandes jogadas, nas arrancadas, na explosão e nos lances incríveis que pintou nos gramados. Agora, só temos que agradecer. E relembrar alguns desses grandes momentos:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ronaldinho, do Cruzeiro Primeiro grande momento de Ronaldo no futebol: cinco gols pelo Cruzeiro na goleada por 6 a 0 sobre o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro de 1993, com direito a “roubada” de bola das mãos de Rodolfo Rodrigues.

O craque desponta Depois de dois anos no PSV, Ronaldo vai para o Barcelona e encanta os espanhóis, com um jogo de fina técnica e extrema força física. Em apenas uma temporada, realiza um dos melhores períodos de toda a sua carreira (49 jogos e 47 gols), incluindo o seu mais bonito gol, contra o Compostela.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nasce o Fenômeno Os italianos criam o termo Fenômeno e Ronaldo vive altos e baixos na Internazionale de Milão. Foram cinco temporadas, mas apenas 99 jogos e 59 gols.

Joelho fraco Ronaldo voltava aos gramados contra a Lazio, em abril de 2000. Após poucos minutos em campo, seu joelho não resistiu.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Fenômeno galático Depois da conquista da Copa do Mundo de 2002, Ronaldo é anunciado como parte do time galáctico que o Real Madrid estava montando para as temporadas seguintes. Em cinco temporadas, 177 jogos e 104 gols.

Milan, o fim europeu Após a Copa do Mundo de 2006, quando alcançou a artilharia de todos os tempos no torneio com 15 gols, Ronaldo volta para a Itália, no Milan, onde fica duas temporadas e faz nove gols em 20 jogos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

R9 Primeiro jogador brasileiro de futebol a assinar um contrato de prazo indeterminado com uma empresa de material esportivo, Ronaldo virou marca (R9) e protagonizou diversos filmes comerciais com a Nike.

Copa do Mundo: 15 gols Ronaldo entrou em campo em três Copas do Mundo (ficou na reserva em 1994). Foram 19 jogos e 15 gols.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mais um louco Ronaldo chegou ao Corinthians dizendo ser “mais um para o bando de loucos”. No seu segundo jogo, o clássico contra o Palmeiras, em 2009, fez um gol de cabeça e subiu no alambrado para comemorar com os torcedores. O seu grande momento com a camisa corintiana é a final do campeonato paulista do mesmo ano, contra o Santos, quando fez um gol de cobertura em Fábio Costa.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO