Os carrapatos transmissores de doenças

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os carrapatos são parasitas comuns a diferentes espécies de mamíferos entre os quais se incluem o homem, podendo também viver nas peles de aves e répteis. Produzem doenças empregando diferentes mecanismos patogênicos.

Os artrópodes hematófagos, como os carrapatos, encontram-se distribuídos ao longo de todo o planeta, já que a doença de carrapato tem uma grande incidência em escala mundial. Sua função vital baseia-se em parasitar um organismo, o que se une à capacidade de intermediação em diferentes processos infecciosos.

A forma mais comum de ocasionar as doenças de Acari Ixodidea ocorre durante a alimentação, uma vez que transmite microrganismos patogênicos como bactérias, helmintos, protozoários e vírus.

Tipos de doença de carrapato

Além de transmitir microrganismos capazes de adoecer os organismos animais, é comum que no local da picada ocorram reações de hipersensibilidade, bem como sistêmicas do tipo anafilática (anafilaxia). É possível, em casos extremos, provocar paralisia neurotóxica produzida pela transmissão de neurotoxinas.

Como regra geral, os danos mais diretos e imediatos são o traumatismo local, que acontece na própria pele, bem como no tecido celular subcutâneo. Isto se deve à ruptura da pele para que possam se alimentar. Em contrapartida, se a parasitação não for freada, esta se estenderá, tornando-se generalizada, podendo levar a uma anemia profunda decorrente da perda de sangue.

Existem dois tipos de carrapatos; os duros encontram-se distribuídos amplamente por todo o planeta e são os causadores mais comuns de doenças infecciosas em países ricos. E os carrapatos brandos, que são causadores da febre endêmica recorrente, muito comum em ambientes de classes social baixa ou rural. Estas são as doenças mais comuns transmitidas pelos carrapatos às pessoas.

Febre botânica ou exantemática:

Caracteriza-se pelo surgimento repentino de febre alta, artromialgias (dor em uma articulação e nos músculos que a cercam), fotofobia (intolerância anormal à luz pela dor que a doença produz) e mal-estar generalizado. O aspecto da picada é o de uma mancha negra que é vista, em alguns casos, antes que apareçam os quadros de febre. São diagnosticados centenas de casos ao ano, possuindo um período de incubação de 4 a 21 dias. E o exantema (mancha escura da picada) pode chegar a supurar, chegando a produzir gangrena.

Debonel

Acrônimo de “Dermacentor-borne-necrosis-erythema-lymphadenopathy”, possivelmente seja uma das infecções transmitidas pelos carrapatos que mais se estendem ao redor do planeta na atualidade. Em contrapartida à maioria das doenças transmitidas por estes insetos, o debonel ocorre nos meses frios do ano. Habitualmente propaga-se com mais facilidade entre crianças e, curiosamente, entre as mulheres. Mais de 90% destas picadas são dadas no couro cabeludo e 100% na parte superior do corpo (não se sabe a razão desse fenômeno). Com um período de incubação relativamente curto (de 1 a 15 dias), percebe-se uma ferida de maior tamanho que a produzida pela febre botânica. E 50% dos pacientes apresentam febre prolongada e dores na região da picada.

Doença de Lyme:

Neste caso, trata-se de um processo que afeta vários órgãos e sistemas ao mesmo tempo. É produzido por diferentes genoespécies de Borrelia Burgdorferi. O eritema migratório, uma lesão que aparece nos primeiros estágios da doença, é o marcador que avisa do contágio e aparece, geralmente, de 1 a 15 dias após a picada. O aspecto de eritema é anelar, adquirindo um tamanho de até 7 centímetros. Os sintomas apresentados, ainda que em um percentual muito pequeno, são mal-estar generalizado, artralgia, febrícula e conjuntivite.

Anaplasmose humana:

Produzida pelo carrapato I. Ricinus, caracterizada por ocasionar uma síndrome de febres poucos dias após ter sido picado pelo carrapato. Manifesta-se em nível muscular e esquelético como se fosse um processo gripal. Se forem realizados exames laboratoriais, é possível se encontrar baixa produção de leucócitos (leucopenia), baixo número de plaquetas (trombopenia). Também é possível que haja um aumento das transaminases e da proteína C reativa.

Febre maculosa e montanhas rochosas:

A FMMR é transmitida pelos carrapatos, mas é causada por um micróbio: a rickettsia. A relação com os casos é diretamente proporcional à exposição que se mantém com animais de estimação ou ambientes infectados por carrapatos. E seu contágio se deriva da picada de um destes insetos infectados rickettsia também pode ocorrer por contaminação da pele com fezes ou sangue deste carrapato. Seus sintomas aparecem em duas semanas após a picada como regra geral e sua febre (moderada ou alta) repentina tem duração entre duas ou três semanas, dores de cabeça e dos músculos, calafrios, erupções, fadiga...As erupções podem se estender rapidamente a todo o corpo a partir das pernas e braços, que é por onde geralmente começam. O fator positivo é que a FMMR cria imunidade permanente após a recuperação de um ataque.

A importância de se prevenir carrapatos em residências:

A prevenção de carrapatos é algo bastante fácil de se realizar. Quando se tem animais de estimação em casa, é necessários que os espaços em que habitam sejam limpos periodicamente. A higiene também deve contemplar os próprios animais, por meio de banhos com produtos próprios e inspeções nas áreas em que costumam ficar.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247