Os transtornos da ansiedade: o que isto significa?

Os estados neuróticos correspondem a um conjunto de diversos estados psíquicos onde a angústia aparece como o sintoma mais proeminente; no entanto, é perfeitamente possível levar uma vida "normal" apesar de um distúrbio de ansiedade neurótica; geralmente, um acompanhamento regular permite estabilizar o distúrbio e, em um segundo tempo, fazê-lo regredir; o desaparecimento total do distúrbio é possível e até mesmo frequente, após um tratamento bem realizado

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os estados neuróticos correspondem a um modo de organização da psique humana em torno de mecanismos de defesa que, ao estarem equilibrados, permitem que o indivíduo desfrute de uma psique estruturada e seja capaz de se adaptar, ou, quando um modo de defesa domina sobre os outros, optar por esta via para atravessar eventos transversais (de modo pontual ou permanente), sem que a psique esteja necessariamente « em sintonia » com a situação (daí a impressão de transtorno mental sentida pelo observador ou pessoas de seu convívio).

É neste segundo caso (quando um modo de defesa domina sobre os outros) que os estados neuróticos podem corresponder a estados passageiros adaptativos não patológicos, cristalizando um sofrimento (por vezes com algum atraso) que não é obrigatoriamente identificado pelo paciente (o chamado conflito « inconsciente »), ou quando este estado neurótico tem um caráter permanente, pode tratar-se de um estado patológico dominando a vida psíquica do indivíduo.

Ao adicionarmos um termo especificando o modo de defesa preferencial, onde, de acordo com as classificações antigas e mais recentes, as denominações de neurose « angústia » ou transtorno do pânico (intrincado ou não com uma ansiedade generalizada), neurose « fóbica » ou fobia, neurose « obsessiva » ou transtorno obsessivo-compulsivo, neurose « histérica » ou personalidade histriônica.

Como isso funciona ?

Os transtornos de ansiedade neuróticos são transtornos de origem psíquica.

Suas origens psíquicas, ou seja, sem origem orgânica, significa que os transtornos de ansiedade correspondem à expressão simbólica (muitas vezes corporal) de contradições psicológicas.

Os sintomas são uma tentativa patológica para resolver um conflito entre o método usual de defesa e o roubo de um desejo inesperado.

A origem desta conflitualidade pode remontar à infância, onde encontramos uma cristalização de modo dominante de defesa em torno de uma fase de desenvolvimento da criança.

Os transtornos ansiosos neuróticos também podem representar um modo de defesa em caso de transtorno psicótico subjacente.

Neste caso, é a doença mais grave (esquizofrenia, por exemplo) que deve ser tratada como uma prioridade e não sua expressão exteriorizada, que é uma forma de estruturação, imperfeita, mas, no entanto, parcialmente eficaz para estes pacientes.

O que sinto ?

O diagnóstico é exclusivamente clínico e baseia-se no relato da pessoa ansiosa.

Este relato é expresso durante um encontro com um terapeuta (daí a impossibilidade de estabelecer um diagnóstico pelas pessoas do convívio do paciente).

Não é necessário usar termos técnicos para conversar com seu médico pois cada paciente tem sua própria expressão sobre seu conflito psíquico, e esta peculiaridade é a própria essência das diferenças entre cada um de nós.

Permitir que esta singularidade se expresse, é essencial para preservar as chances de melhoria. Considera-se que pacientes com ansiedades neuróticas podem apresentar sintomas extremamente variados, cuja lista nunca poderia ser exaustiva.

As queixas do paciente são organizadas em torno de questões de ansiedade. A ansiedade é definida como sua expressão psíquica e a angústia, como sua tradução corporal. Todas as formas de angústia podem ser apresentadas por esses pacientes, incluindo crises de angústia ou uma angústia de fundo permanente (ansiedade generalizada).

Sensações corporais imprevistas (correspondentes a um efeito de « somatização da angústia ») preocupam os pacientes que procuram os médicos, às vezes, vários médicos diferentes, em uma busca insaciável por uma explicação racional e científica (estritamente médica) da causa de seus distúrbios de origem psíquica mas, de expressão corporal.

Uma fadiga crônica marca estes pacientes que se sentem exaustos por sua luta psíquica interna. Ela ocorre especialmente na parte da manhã e é acompanhada por dificuldades em adormecer. Estes pacientes dormem de boa vontade de modo prolongado sempre que possível, mas seu sono é regulamente interrompido por despertares noturnos e pesadelos.

Neste contexto de noites perturbadas, a intimidade é geralmente afetada e distúrbios sexuais são comuns nestes pacientes, tais como: impotência e ejaculação precoce no homem, dores durante as relações e vaginismo nas mulheres. A repercussão na vida do casal pode ser significativa no paciente ou no seu cônjuge.

O quadro clínico, rico e flutuante destes pacientes e que pode ser bem mais variado, é a tradução de uma angústia mais profunda da qual o paciente ainda não tem a chave no momento da consulta. No entanto, ele tem certa consciência da natureza « anormal » de seus transtornos. Ele permanece em sintonia com a realidade, mantém uma boa integração sócio profissional e na maioria das vezes, ele permanece como um candidato à ajuda médica.

Cada tipo de transtorno de ansiedade neurótica também tem sintomas específicos que estão detalhados em cada capítulo correspondente.

Que exames ?

Não há exames adicionais que permitam fazer o diagnóstico de transtornos de ansiedade neurótica. Este diagnóstico é baseado principalmente no interrogatório.

Quando ocorre uma dúvida, estes pacientes devem ser encaminhados ao seu clínico geral para descartar uma patologia orgânica.

É possível realizar um balanço específico da função da tiroide, eliminar uma asma por exemplo e, em casos raros, realizar uma avaliação mais avançada com scanner cerebral.

Que tratamentos ?

O tratamento dos transtornos neuróticos é essencialmente constituído por psicoterapia.

As diversas opções psicoterapêuticas não estão em concorrência, pois cada uma delas pode ser uma opção eficaz para alguns pacientes mas, não para outros, ou para a mesma pessoa em épocas diferentes de sua vida, de acordo com suas necessidades e expectativas.

Os psiquiatras, psicólogos e alguns clínicos gerais podem fornecer tais cuidados.

A gestão dos problemas neuróticos por outros profissionais é fortemente desaconselhada, dadas as dificuldades em conduzir os cuidados com o bom distanciamento, a experiência clínica que ela requer e os riscos de desvio da relação terapêutica. A psicoterapia é um meio para que o paciente possa entender como ele pode exceder sua angústia.

As terapias breves, por exemplo, comportamentais e cognitivas têm uma boa eficiência sobre os sintomas e permitem que o paciente saia do círculo vicioso da angústia. O bloqueio relacionado à angústia pode ser levantado e esta abordagem terapêutica oferece ao paciente um alívio relativamente rápido, abrindo novas opções na sua vida.

As terapias de inspiração analítica (face a face, mesmo após um período mais ou menos prolongado em face a face, o divã freudiano clássico) inscrevem-se em um prazo mais longo e abordam de forma mais aprofundada a problemática pessoal e íntima do paciente que o levou ao desenvolvimento de suas defesas neuróticas.

Os medicamentos, mesmo se eles estão no centro dos pedidos recorrentes de cura imediata desejada pelos pacientes, mesmo se eles podem ajudar a passar por uma etapa difícil, eles apresentam mais riscos do que benefícios na maioria dos casos de transtornos neuróticos de ansiedade.

- Os antidepressivos, sem supervisão psiquiátrica regular, podem conduzir, devido à sua classificação « estimulante » para passagens a um ato suicida.

- Os ansiolíticos benzodiazepínicos podem trazer uma sedação superficial, transitória (por algumas semanas) e rápida da angústia, mas sem nenhuma eficácia na duração, e pelo contrário, um risco de dependência (e uma utilização destes produtos como uma droga). Na verdade, eles não agem sobre a causa da angústia (que está localizada na organização da vida íntima dos pacientes), e não impedem a ocorrência de crises de angústia. Além disso, seu efeito diminui ao longo do tempo e é por isso que muitos pacientes que sofrem de angústia tentam aumentar as doses por conta própria, até alcançar uma situação de intoxicação aguda e um coma medicamentoso, necessitando de cuidados emergenciais e uma reavaliação dos medicamentos pelo psiquiatra. Ademais, a interrupção abrupta destes medicamentos aumenta a angústia de forma maciça e dá a impressão ao consumidor que se trata de uma necessidade vital e que ele não pode viver sem eles.

A internação não é recomendada para estes pacientes fora de uma crise suicida com elementos de gravidade. De fato, ela exige uma adaptação do paciente a um novo ambiente com várias partes interessadas, portanto, tantas relações terapêuticas diferentes em detrimento de um trabalho pessoal com um psicoterapeuta.

Que evolução ?

Para a cronicidade caso o tratamento não for satisfatório.

A dificuldade dos transtornos neuróticos é sua cronicidade e seu fortalecimento, caso o paciente não encontre um interlocutor adequado. O agravamento pode assumir a forma de uma exclusão sócio profissional e emocional, podendo chegar até um risco de invalidez.

Enfraquecidos por suas contradições e uma ansiedade de fundo, os pacientes podem apresentar crises de angústia, episódios depressivos, consumir produtos para aliviar sua ansiedade (medicamentos do tipo benzodiazepinas ou outros ansiolíticos ou produtos como álcool, maconha ou opiáceos – do ópio), ou até mesmo realizar tentativas de suicídio.

Em caso de dificuldade psicológica extrema com uma pessoa que sofre de transtornos de ansiedade, é aconselhável ir rapidamente a uma consulta médica com um clínico geral (que tenha a vantagem de conhecer o paciente e que tenha a confiança dele), com um profissional liberal, se possível (para iniciar uma eventual terapia com ele), ou então, nas emergências psiquiátricas.

É sobretudo um tipo de tratamento que poderá ser oferecido nas emergências, sem necessariamente envolver uma internação. Esta última só será oferecida se o retorno ao lar for impossível, devido ao contexto da crise.

É perfeitamente possível levar uma vida « normal » apesar de um distúrbio de ansiedade neurótica. Geralmente, um acompanhamento regular (por exemplo, quinzenal) seguido por um longo período, permite estabilizar o distúrbio e, em um segundo tempo, fazê-lo regredir. O desaparecimento total do distúrbio é possível e até mesmo frequente, após um tratamento bem realizado.

O distúrbio pode ser particularmente mais grave e prolongado nos casos em que o paciente tenha tido, durante seu curso, sintomas semelhantes (que diminuíram em seguida) durante a infância.

No entanto, é difícil rastrear com precisão o caminho dos pacientes e da maioria das pessoas que sofrem de transtornos neuróticos desenvolvido na idade adulta, em relação à suas experiências, e assim planejar com antecedência a evolução para transtornos de ansiedade neuróticos constituídos. Qualquer pessoa pode ser afetada por este tipo de transtornos no decorrer de sua vida.

Como me proteger?

A prevenção baseia-se na criação de um acompanhamento psicoterapêutico tão logo um sofrimento insuportável é sentido pelo indivíduo, durante a infância ou na vida adulta.

Não é necessário sofrer obrigatoriamente de uma patologia grave para ir consultar um « psiquiatra », e o acompanhamento preventivo tem seu lugar pleno na prática da psicoterapia, para evitar o desenvolvimento de um distúrbio posterior mais grave.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247