Otimista, Alckmin já cogita vencer Lula em 2014

Mesmo em baixa nas pesquisas, governador de São Paulo diz a aliados que não acharia de todo ruim se o ex-presidente se candidatasse ao governo de São Paulo; "Aí a gente ganha dele aqui e dá uma bela alavancada para 2018″, ri o tucano; enquanto isso, ele coloca todos os secretários para trabalhar sem folga e faz figa para o número de crimes diminuir no Estado; "Até 2014, não tem mais fim de semana para ninguém"

Otimista, Alckmin já cogita vencer Lula em 2014
Otimista, Alckmin já cogita vencer Lula em 2014
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O cenário não seria de todo ruim, na opinião do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se candidatasse ao governo do Estado em 2014. "Aí a gente ganha dele aqui e dá uma bela alavancada para 2018″, teria dito o tucano a aliados, considerando a hipótese de a presidente Dilma Rousseff se reeleger. Daqui a seis anos, então, os tucanos estariam no comando de São Paulo e do Planalto, na previsão de Alckmin.

Alckmin começou 2013 inspirado para trabalhar em sua campanha. Ele afirmou aos secretários mais próximos que faz questão da presença de todos em eventos e inaugurações dos quais ele não puder estar presente. "Até 2014, não tem mais fim de semana para ninguém", teria alertado o tucano a seus auxiliares, de acordo com um interlocutor, conforme noticia a coluna Poder Online, do portal iG.

Enquanto faz a ofensiva e coloca a equipe em trabalho intenso, o governador faz figa para aquilo que possui menos controle: os dados da criminalidade no Estado. O tema é visto como o mais sensível para o tucano na disputa ao governo. E para piorar, a crise na Segurança, especialmente na capital paulista, tem abalado sua popularidade. A parcela da população que considerava o governo paulista "ótimo" ou "bom" caiu de 40% em setembro para 29% em outubro, de acordo com o Datafolha.

Por conta disso, Alckmin passou a monitorar diariamente, desde o início do ano, os dados dos crimes registrados, com anotações em sua agenda pessoal, conforme noticiou nesta quarta-feira 16 a coluna Painel, da Folha de S.Paulo. "Em privado, mostra entusiasmo com as estatísticas de 2013: a média de assassinatos do ano passado só foi alcançada em três ocasiões", diz trecho da nota. Antes de comemorar, ele prefere aguardar, porém, o primeiro relatório mensal a ser divulgado pelo novo prefeito da capital, Fernando Haddad (PT).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email