Papa Francisco nega que planeja renunciar em breve

Em entrevista exclusiva em sua residência no Vaticano, Francisco também negou os rumores de que ele tinha câncer

www.brasil247.com - Papa Francisco discursa durante evento no Vaticano
Papa Francisco discursa durante evento no Vaticano (Foto: Alessandro Di Meo/Pool via REUTERS)


Reuters - O papa Francisco rejeitou relatos de que planeja renunciar em um futuro próximo, dizendo que está a caminho de visitar o Canadá este mês e espera poder ir a Moscou e Kiev o mais rápido possível depois disso.

Em entrevista exclusiva em sua residência no Vaticano, Francisco também negou os rumores de que ele tinha câncer, brincando que seus médicos "não me disseram nada sobre isso", e pela primeira vez deu detalhes sobre a condição do joelho que o impediu de realizar alguns deveres.

Em uma conversa de 90 minutos na tarde de sábado (2), conduzida em italiano, sem a presença de assessores, o pontífice de 85 anos também repetiu sua condenação ao aborto após a decisão da Suprema Corte dos EUA no mês passado.

Rumores surgiram na mídia de que uma conjunção de eventos no final de agosto, incluindo reuniões com cardeais do mundo para discutir uma nova constituição do Vaticano, uma cerimônia para empossar novos cardeais e uma visita à cidade italiana de L'Aquila, poderia prenunciar um anúncio de demissão. 

L'Aquila está associada ao Papa Celestino V, que renunciou ao papado em 1294. O Papa Bento XVI visitou a cidade quatro anos antes de renunciar em 2013, o primeiro papa a fazê-lo em cerca de 600 anos. 

Mas Francisco, alerta e à vontade durante toda a entrevista enquanto discutia uma ampla gama de questões internacionais e da Igreja, riu da ideia.

"Todas essas coincidências fizeram alguns pensarem que a mesma 'liturgia' aconteceria", disse ele. "Mas nunca passou pela minha cabeça. Por enquanto não, por enquanto não. Realmente!" 

Francisco, no entanto, repetiu sua posição muitas vezes declarada de que ele poderia renunciar algum dia se a saúde debilitada tornasse impossível para ele dirigir a Igreja – algo que era quase impensável antes de Bento XVI.

Questionado sobre quando achava que isso poderia acontecer, ele disse: "Não sabemos. Deus dirá".

Joelho machucado

A entrevista aconteceu no dia em que ele deveria partir para a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul, viagem que teve que cancelar porque os médicos disseram que ele também poderia perder uma viagem ao Canadá de 24 a 30 de julho, a menos que concordasse em ter mais 20 dias de terapia e descanso para o joelho direito. 

Ele disse que a decisão de cancelar a viagem à África lhe causou "muito sofrimento", principalmente porque ele queria promover a paz em ambos os países. 

Francisco usou uma bengala ao entrar em uma sala de recepção no térreo da casa de hóspedes Santa Marta, onde mora desde sua eleição em 2013, evitando o apartamento papal no Palácio Apostólico usado por seus antecessores. 

A sala tem uma cópia de uma das pinturas favoritas de Francisco: "Maria, Desatadora dos Nós", criada por volta de 1700 pelo alemão Joachim Schmidtner.

Questionado sobre como estava, o papa brincou: "Ainda estou vivo!"

Ele deu detalhes de sua doença pela primeira vez em público, dizendo que havia sofrido "uma pequena fratura" no joelho quando deu um passo em falso enquanto um ligamento estava inflamado. 

"Estou bem, estou melhorando lentamente", disse ele, acrescentando que a fratura foi de tricô, ajudada por laser e terapia magnética. 

Francisco também descartou rumores de que um câncer foi encontrado há um ano, quando ele passou por uma operação de seis horas para remover parte de seu cólon por causa de diverticulite, uma condição comum em idosos. 

"Ela (a operação) foi um grande sucesso", disse ele, acrescentando com uma risada que "eles não me contaram nada" sobre o suposto câncer, que ele descartou como "fofoca do tribunal". 

Mas ele disse que não queria uma operação no joelho porque a anestesia geral na cirurgia do ano passado teve efeitos colaterais negativos. 

Viagem papel a Moscou?

Falando da situação na Ucrânia, Francisco observou que houve contatos entre o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, sobre uma possível viagem a Moscou.

Os sinais iniciais não eram bons. Nenhum papa jamais visitou Moscou, e Francisco condenou repetidamente a invasão da Ucrânia pela Rússia; na quinta-feira passada, acusou-a implicitamente de travar uma "guerra de agressão cruel e sem sentido". 

Quando o Vaticano perguntou pela primeira vez sobre uma viagem há vários meses, Francisco disse que Moscou respondeu que não era o momento certo.

Mas ele deu a entender que algo pode ter mudado agora.

"Eu gostaria de ir (para a Ucrânia), e queria ir para Moscou primeiro. Trocamos mensagens sobre isso porque pensei que se o presidente russo me desse uma pequena janela para servir à causa da paz ...

"E agora é possível, depois que eu voltar do Canadá, é possível que eu consiga ir para a Ucrânia", disse ele. "A primeira coisa é ir à Rússia para tentar ajudar de alguma forma, mas gostaria de ir às duas capitais."

Aborto 

Questionado sobre a decisão da Suprema Corte dos EUA que anula a histórica decisão Roe versus Wade, que estabelece o direito da mulher ao aborto, Francisco disse que respeita a decisão, mas não tem informações suficientes para falar sobre isso do ponto de vista jurídico. 

Mas ele condenou veementemente o aborto, comparando-o a "contratar um assassino de aluguel". A Igreja Católica ensina que a vida começa no momento da concepção. 

"Eu pergunto: é legítimo, é certo, eliminar uma vida humana para resolver um problema?"

Francisco foi questionado sobre um debate nos Estados Unidos sobre se um político católico que se opõe pessoalmente ao aborto, mas apoia o direito de escolha dos outros, deveria receber o sacramento da comunhão.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, por exemplo, foi impedida pelo arcebispo conservador de sua diocese de São Francisco de recebê-la naquela diocese, mas recebe a comunhão regularmente em uma paróquia em Washington, DC. missa papal no Vaticano. 

“Quando a Igreja perde sua natureza pastoral, quando um bispo perde sua natureza pastoral, isso causa um problema político”, disse o papa. "Isso é tudo o que posso dizer."

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247