Para defensor público, mulher de minissaia pode ser considerada culpada em casos de assédio

Para o Defensor Público Geral de Pernambuco, o fato de uma mulher esta vestindo minissaia pode ser determinante para a absolvição de um agressor em casos de assédio; a declaração de Manoel Jerônimo, vice-presidente do Colégio Nacional de Defensores Gerais, foi dada em 11 de janeiro em uma entrevista para uma rádio local sobre estupro

Para o Defensor Público Geral de Pernambuco, o fato de uma mulher esta vestindo minissaia pode ser determinante para a absolvição de um agressor em casos de assédio; a declaração de Manoel Jerônimo, vice-presidente do Colégio Nacional de Defensores Gerais, foi dada em 11 de janeiro em uma entrevista para uma rádio local sobre estupro
Para o Defensor Público Geral de Pernambuco, o fato de uma mulher esta vestindo minissaia pode ser determinante para a absolvição de um agressor em casos de assédio; a declaração de Manoel Jerônimo, vice-presidente do Colégio Nacional de Defensores Gerais, foi dada em 11 de janeiro em uma entrevista para uma rádio local sobre estupro (Foto: Charles Nisz)

Revista Fórum - Para o Defensor Público Geral de Pernambuco, o fato de uma mulher esta vestindo minissaia pode ser determinante para a absolvição de um agressor em casos de assédio. A declaração de Manoel Jerônimo, que também é vice-presidente do Colégio Nacional de Defensores Gerais, foi dada em 11 de janeiro em uma entrevista para uma rádio local sobre estupro.

“A vestimenta de uma mulher é parte de um simbolismo que diz muito para fins de processo, para fins de condenação ou absolvição no campo criminal“, disse.

De acordo com Jerônimo, o uso de roupas como minissaias faz a mulher “ficar sujeita a uma pessoa interpretar que ela está seduzindo ou por ventura dando oportunidade para uma paquera, um namoro e quem sabe até algo mais sério“ e, ao invés de tratar sobre o comportamento dos agressores, recomendou que as mulheres demonstrassem “que não está ali para nenhum tipo de paquera” através de suas vestes.

Após a entrevista, Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares divulgou uma nota de repúdio às declarações. “É apenas mais uma das várias ferramentas de manutenção do sistema do patriarcado, o qual exerce controle territorial sobre os corpos das mulheres”, diz a nota.

Ao site Justificando, o defensor enviou uma nota em que tenta minimizar suas declarações, pedindo desculpas às mulheres por falas “fora de contexto”.

“Não tive em momento algum a pretensão de expressar qualquer forma de preconceito contra as mulheres”, escreveu.

*Com informações do Justificando

Ao vivo na TV 247 Youtube 247