Para este deputado e PM, 'bandido tem que morrer'

Deputado estadual Joel da Harpa (Pros) afirmou em plenário que “bandido que troca bala com a polícia tem que morrer mesmo"; pouco depois, o parlamentar também defendeu que estas mortes não devem sequer entrar nas estatísticas oficiais sobre violência; detalhe: Joel da Harpa, que está em seu primeiro mandato e é ligado à base governista, foi um dos líderes mais radicais da última greve da Polícia Militar de Pernambuco, registrada no início de 2014 e que inflamou a tropa, emparedou o Governo do Estado, acuou a população contra a parede e constrangeu todo o Estado, quando as imagens da onda de violência e saques em diversos municípios da Região Metropolitana do Recife foram veiculadas nacional e internacionalmente

www.brasil247.com - Deputado estadual Joel da Harpa (Pros) afirmou em plenário que “bandido que troca bala com a polícia tem que morrer mesmo"; pouco depois, o parlamentar também defendeu que estas mortes não devem sequer entrar nas estatísticas oficiais sobre violência; detalhe: Joel da Harpa, que está em seu primeiro mandato e é ligado à base governista, foi um dos líderes mais radicais da última greve da Polícia Militar de Pernambuco, registrada no início de 2014 e que inflamou a tropa, emparedou o Governo do Estado, acuou a população contra a parede e constrangeu todo o Estado, quando as imagens da onda de violência e saques em diversos municípios da Região Metropolitana do Recife foram veiculadas nacional e internacionalmente
Deputado estadual Joel da Harpa (Pros) afirmou em plenário que “bandido que troca bala com a polícia tem que morrer mesmo"; pouco depois, o parlamentar também defendeu que estas mortes não devem sequer entrar nas estatísticas oficiais sobre violência; detalhe: Joel da Harpa, que está em seu primeiro mandato e é ligado à base governista, foi um dos líderes mais radicais da última greve da Polícia Militar de Pernambuco, registrada no início de 2014 e que inflamou a tropa, emparedou o Governo do Estado, acuou a população contra a parede e constrangeu todo o Estado, quando as imagens da onda de violência e saques em diversos municípios da Região Metropolitana do Recife foram veiculadas nacional e internacionalmente (Foto: Paulo Emílio)


Pernambuco 247 - A bancada da bala não atua apenas no Congresso nacional. Em Pernambuco, o deputado estadual Joel da Harpa (Pros)  afirmou em plenário, que “bandido que troca bala com a polícia tem que morrer mesmo. Pouco depois, o parlamentar ainda defendeu que estas mortes não devem sequer entrar nas estatísticas oficiais sobre violência. 

As afirmações do deputado foram feitas em meio a um discurso proferido por ele sobre a necessidade da implantação da PEC 300, que estabelece que a remuneração dos policiais militares nos Estados não poderá ser inferior ao valor pago aos PMs do Distrito Federal.

O detalhe é que Joel da Harpa, que está em seu primeiro mandato e é ligado à base governista, foi um dos líderes da última greve da Polícia Militar de Pernambuco, registrada no início de 2014.

Na época, com um discurso radical, ele inflamou a tropa, emparedou o Governo do Estado, acuou a população contra a parede e constrangeu todo o Estado, quando as imagens da onda de saques promovida por gangues e pela população de diversos municípios da Região Metropolitana do Recife foram veiculadas nacional e internacionalmente. Ele já havia tentado sem sucesso, dois anos antes de tornar-se deputado, ser eleito vereador pelo município de Jaboatão dos Guararapes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Coube a deputada estadual da bancada de oposição, Teresa Leitão (PT),  reagir à pregação homicida e lembrar dos deveres que o policial e o Estado possuem perante a sociedade. Estado tem que proteger o cidadão e não matar”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email