“Perdemos a humildade”, diz Nubank em nota após fala da fundadora sobre contratação de negros

Fundadora do Nubank disse em entrevista que é difícil contratar negros e que empresa não pode “nivelar por baixo”; após polêmica, startup soltou nota em que anuncia "agenda de reparação histórica e combate ao racismo

Cristina Junqueira
Cristina Junqueira (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - A Nubank, startup brasileira de serviços financeiros, divulgou uma nota oficial neste domingo (25) em que pede desculpas à população negra por conta de uma fala polêmica de uma de suas fundadoras, Cristina Junqueira, sobre a contratação de negros na empresa.

Em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, na última segunda-feira (19), Junqueira afirmou que tem dificuldade de encontrar candidatos negros adequados para as exigências das vagas na empresa. Ela disse ainda que investe em programas de formação gratuitos, mas que não pode “nivelar por baixo”. A fala foi considerada racista e gerou polêmica entre espectadores e internautas. Após a repercussão, a fundadora divulgou um vídeo pedindo desculpas e dizendo que se expressou mal.

Já na nota divulgada neste domingo, que é assinada pela própria Cristina Junqueira junto com outros dois co-fundadores, David Vélez e Edward Wible, a empresa assume que “errou” e tenta explicar as tentativas de valorizar a diversidade na empresa, ressaltando, contudo, que elas não foram suficiente.

“O erro foi achar que as coisas vão se resolvendo sozinhas, pela própria comunidade de Nubankers, organicamente, sem esforços contínuos e investimentos da liderança. Ficamos acomodados com o progresso que tivemos nos nossos primeiros anos de vida que se refletia em algumas estatísticas relativas à igualdade de gênero e LGBTQIA+, por exemplo, que, repetidas, mascaravam a necessidade urgente de posicionamento ativo também na pauta antirracista. Deixamos de nos questionar. Ignoramos o grande caminho que ainda tínhamos pela frente”, diz um trecho da nota.

Confira a reportagem completa na Revista Fórum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247