Perícia aponta execução em operação da PM no Cabula

A análise cadavérica dos 12 mortos em operação da Rondesp (Rondas Especiais), da Polícia Militar, no dia 6 de fevereiro, no Cabula, revela indícios de execução na ação policial; segundo o jornal Correio*, parte dos disparos foi feita de cima para baixo e alguns corpos apresentavam perfurações na palma da mão, nos braços e nos antebraços; apenas quatro baleados tinham vestígios de pólvora nas mãos e a maioria deles apresentava ao menos cinco marcas de tiros a menos de 1,5 metro, distância considerada curta

A análise cadavérica dos 12 mortos em operação da Rondesp (Rondas Especiais), da Polícia Militar, no dia 6 de fevereiro, no Cabula, revela indícios de execução na ação policial; segundo o jornal Correio*, parte dos disparos foi feita de cima para baixo e alguns corpos apresentavam perfurações na palma da mão, nos braços e nos antebraços; apenas quatro baleados tinham vestígios de pólvora nas mãos e a maioria deles apresentava ao menos cinco marcas de tiros a menos de 1,5 metro, distância considerada curta
A análise cadavérica dos 12 mortos em operação da Rondesp (Rondas Especiais), da Polícia Militar, no dia 6 de fevereiro, no Cabula, revela indícios de execução na ação policial; segundo o jornal Correio*, parte dos disparos foi feita de cima para baixo e alguns corpos apresentavam perfurações na palma da mão, nos braços e nos antebraços; apenas quatro baleados tinham vestígios de pólvora nas mãos e a maioria deles apresentava ao menos cinco marcas de tiros a menos de 1,5 metro, distância considerada curta (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - A análise cadavérica dos 12 mortos em operação da divisão de Rondas Especiais (Rondesp) da Polícia Militar (PM), no dia 6 de fevereiro passado, no Cabula, revela indícios de execução na ação policial. A versão oficial da PM é a de que o grupo teria sido morto durante uma troca de tiros, tese contrária ao que mostram os laudos do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

De acordo com publicação do jornal Correio*, parte dos disparos foi feita de cima para baixo e alguns corpos apresentavam perfurações na palma da mão, nos braços e nos antebraços.

O documento mostrou ainda que apenas quatro baleados tinham vestígios de pólvora nas mãos e que a maioria deles apresentava ao menos cinco marcas de tiros a menos de 1,5 metro, distância considerada curta. "Isso subentende que a pessoa baleada estava deitada, agachada ou ajoelhada", disse um perito que pediu anonimato.

O caso está sendo investigado em inquérito pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), da Polícia Civil, e também no Inquérito Policial Militar (IPM) e no Ministério Público do Estado (MPE).

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247