Pesquisa mostra que 65% dos trabalhadores LGBTQIA+ sofreram discriminação no trabalho

Uma pesquisa feita pela consultoria Santo Caos que 28% dos profissionais LGBTQIA+ foram vítimas de assédio

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


247 - Uma pesquisa feita pela consultoria Santo Caos, com 20 mil trabalhadores de todos os estados e do Distrito Federal, apontou  que 65% dos profissionais LGBTQIA+ disseram ter sofrido discriminação no trabalho. De acordo com o levantamento, 28% foram vítimas de assédio, percentual que diminui para 18% entre pessoas que não seguem as mesmas orientações sexuais. As estatísticas foram publicadas neste domingo (19) pela coluna de Mônica Bergamo

Se consideradas apenas as pessoas autodeclaradas trans e bissexuais, a taxa de pessoas que se viram alvo de discriminação aumentou para 86% e 72%, respectivamente.

Segundo os números, 47% dos trabalhadores LGBTQIA+ têm renda média inferior a quatro salários mínimos. O índice cai para 36% entre os que não integram o segmento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os assexuais são aqueles com menor renda entre os que compõem a sigla LGBTQIA+. Ao todo, 81% deles ganham menos de quatro salários mínimos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O levantamento apontou para uma maior concentração de LGBTQIA+ no Sudeste (62%), seguida por Nordeste (20%) e pelo Sul (10%).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"É necessário que as empresas se preparem de forma mais abrangente e consistente para promover o bem-estar dos colaboradores, ampliando suas iniciativas de diversidade e inclusão", afirma o sócio-diretor da consultoria Santo Caos, Jean Soldatelli.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email