PF faz operação contra desvios de recursos do Fundeb no interior da BA

Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União cumpriram 19 mandados na cidade de Apuarema, no interior da Bahia; Operação Inflet busca indícios e depoimentos para investigar desvio de recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e de Valorização dos Profissionais da Educação, praticados pela ex-prefeita da cidade, pelo ex-secretário de Administração (filho da ex-prefeita) e ex- servidores municipais

Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União cumpriram 19 mandados na cidade de Apuarema, no interior da Bahia; Operação Inflet busca indícios e depoimentos para investigar desvio de recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e de Valorização dos Profissionais da Educação, praticados pela ex-prefeita da cidade, pelo ex-secretário de Administração (filho da ex-prefeita) e ex- servidores municipais
Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União cumpriram 19 mandados na cidade de Apuarema, no interior da Bahia; Operação Inflet busca indícios e depoimentos para investigar desvio de recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e de Valorização dos Profissionais da Educação, praticados pela ex-prefeita da cidade, pelo ex-secretário de Administração (filho da ex-prefeita) e ex- servidores municipais (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sayonara Moreno, correspondente da Agência Brasil - A Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União cumpriram hoje (21), em uma força-tarefa, 19 mandados na cidade de Apuarema, no interior da Bahia. A Operação Inflet busca indícios e depoimentos para investigar desvio de recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e de Valorização dos Profissionais da Educação, praticados pela ex-prefeita da cidade, pelo ex-secretário de Administração (filho da ex-prefeita) e ex- servidores municipais.

Segundo a PF, os servidores eram contratados formalmente "por salários muito superiores à complexidade da atividade desempenhada". O dinheiro, no entanto, era depositado na conta de outros servidores aliciados, que o sacavam e repassavam para a ex-prefeita e outros integrantes do esquema. Assim, apenas uma "pequena parte" do valor era realmente repassada ao servidor contratado.

A Polícia Federal informou que o valor desviado chegava a ser oito vezes superior ao valor realmente pago aos servidores contratados para prestar serviço. Além da ex-gestora e de servidores da prefeitura, a polícia descobriu que a então supervisora de Educação e a ex-chefe do Setor de Acompanhamento de Programas de Assistência ao Estudante eram coniventes e auxiliavam nos desvios.

Entre os 19 mandados, 14 são de condução coercitiva e cinco de busca e apreensão. Caso os investigados sejam condenados, devem responder pelo crime de responsabilidade e por "apropriar-se de bens ou rendas públicas, ou desviá-los em proveito próprio ou alheio", de acordo com a Lei dos Prefeitos. O nome da Operação Inflet refere-se ao termo em latim que significa inchar ou inflacionar, que tem relação com as práticas Ilícitas dos investigados.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247