“Policarpo usou, foi usado ou era da quadrilha”

Ao 247, deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) levanta as três hipóteses para relação de Policarpo Jr., editor-chefe da revista Veja, com organização de Carlinhos Cachoeira; parlamentar tem dossiê com cem páginas, feito pela PF, sobre relacionamento; ele vai convocar o jornalista à CPI

“Policarpo usou, foi usado ou era da quadrilha”
“Policarpo usou, foi usado ou era da quadrilha” (Foto: Edição/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Andressa Anholete _Brasília 247 – "A relação entre o jornalista Policarpo Jr. e o contraventor Carlinhos Cachoeira não é normal". A frase é do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) ao 247. Ele tem em mãos um dossiê de 100 páginas, preparado pela Polícia Federal, montado a partir de diálogos interceptados entre o diretor da sucursal da revista Veja em Brasília e o bicheiro que continua preso na penitenciária da Papuda, em Brasília. "Policarpo usou a quadrilha, foi usado por ela ou até mesmo fazia parte de todo o esquema criminoso", diz o parlamentar. "Essa dúvida só pode ser esclarecida pelo avançar das investigações da CPI. Sem dúvida, na primeira oportunidade pedirei a convocação de Policarpo Jr.". Isso vai acontecer na sessão da terça-feira 14.

Durante as últimas três semanas, assessores do Dr. Rosinha cruzaram o conteúdo dos grampos telefônicos com matérias publicadas pela Veja nas semanas subsequentes aos diálogos. O resultado é a certeza do parlamentar de que havia troca de favores entre os dois. "Cachoeira era bem mais do que fonte do Policarpo. As gravações provam", garantiu o deputado. "No mínimo, era um paceirão".

"Um jornalista ter fonte não é problema, mas essa fonte solicitar que se faça determinada matéria, sim", afirmou Dr. Rosinha justificando o seu requerimento. "Policarpo não está sendo convocado como testemunha ou indiciado, é uma oportunidade para se explicar", explicou.

O parlamentar contou que pelo menos três matérias de Veja teriam sido feitas a partir das orientações de Cachoeira. As reportagens sobre os encontros do ex-ministro José Dirceu no Hotel Naoum, a gravação de pagamento de propina que resultou na CPI dos Correios e acusações contra o ex-diretor do Denit Luiz Antônio Pagot teriam correspondências com as conversas entre Policarpo e Cachoeira.

Dr. Rosinha questiona a participação de Policarpo nestes processos. "Ele foi usado pela organização criminosa? Usava a organização? Fazia parte da quadrilha?", pergunta. "É o que quero saber".

Nenhum dos depoimentos prestados até agora pela Comissão tratou da relação entre Policarpo e Cachoeira. Caso a convocação seja aprovada e o jornalista fique calado, Rosinha afirmou ao 247 que vai continuar analisando a comunicação do diretor da sucursal da revista.

O requerimento será analisado na próxima terça-feira 14. Além deste, a CPMI tem 269 pedidos para avaliar.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email