Polícia apreende R$ 2 mi em produtos piratas no Recife

A Polícia Civil apreendeu mais de 65 mil produtos falsificados durante a "Operação Natal Original", no Recife; a mercadoria foi avaliada em mais de R$ 2 milhões, entre roupas, óculos, carteiras, brinquedos e bonés; os 16 identificados podem responder a mais de 20 anos de prisão e serão indiciados pelo crime de pirataria e formação de quadrilha

A Polícia Civil apreendeu mais de 65 mil produtos falsificados durante a "Operação Natal Original", no Recife; a mercadoria foi avaliada em mais de R$ 2 milhões, entre roupas, óculos, carteiras, brinquedos e bonés; os 16 identificados podem responder a mais de 20 anos de prisão e serão indiciados pelo crime de pirataria e formação de quadrilha
A Polícia Civil apreendeu mais de 65 mil produtos falsificados durante a "Operação Natal Original", no Recife; a mercadoria foi avaliada em mais de R$ 2 milhões, entre roupas, óculos, carteiras, brinquedos e bonés; os 16 identificados podem responder a mais de 20 anos de prisão e serão indiciados pelo crime de pirataria e formação de quadrilha (Foto: Leonardo Lucena)

Pernambuco 247 - A Polícia Civil apreendeu mais de 65 mil produtos falsificados durante a "Operação Natal Original", no Recife. A ação, que começou a ser investigada em junho deste ano, teve as apreensões realizadas durante esta segunda (23) e terça-feira (24), com participação de 116 policiais em galerias, mini-shoppings e depósitos no centro da cidade. A mercadoria foi avaliada em mais de R$ 2 milhões, entre roupas, óculos, carteiras, brinquedos e bonés. Segundo o delegado responsável pelo caso, Germano Cunha, os 16 identificados podem responder a mais de 20 anos de prisão.

Apesar de terem sido liberados, os responsáveis serão indiciados pelo crime de pirataria e formação de quadrilha. "É importante que a sociedade tenha consciência do mal que os produtos piradas fazem para a saúde do cidadão e para a economia", acrescentou o delegado. Os detidos foram levados para a sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife, para prestar depoimento. 

Durante uma coletiva de imprensa realizada após a divulgação da ação, o chefe da Polícia Civil, Joselito Kehrle, afirmou, também, que as operações de combate à pirataria serão intensificadas. "Existe todo um trabalho por trás dessa operação. Ela não é escolhida em um dia específico e realizada aleatoriamente, mas fruto de uma investigação contínua. Mas tenham a certeza que, em Pernambuco, esse processo será contínuo", disse.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247