Polícia Militar apreende explosivos em Fortaleza

A Polícia Militar apreendeu na madrugada de hoje (21) dez coquetéis molotovs, um explosivo de fabricação caseira, no bairro Passaré, em Fortaleza, próximo à garagem de uma empresa de transporte coletivo; segurança na capital foi reforçada diante dos ataques a veículos e a prédios públicos; vinte e um ônibus foram incendiados em diferentes bairros da capital cearense; os ônibus das linhas regulares trafegam em comboio e sob escolta policial

ônibus é incendiado por vândalo em Florianópolis Foto: Eduardo Valente/Futura Press
ônibus é incendiado por vândalo em Florianópolis Foto: Eduardo Valente/Futura Press (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Edwirges Nogueira/Agência Brasil - A Polícia Militar apreendeu na madrugada de hoje (21) dez coquetéis molotovs, um explosivo de fabricação caseira, no bairro Passaré, em Fortaleza, próximo à garagem de uma empresa de transporte coletivo.

Segundo informações confirmadas pelo 13º Distrito Policial, onde a ocorrência foi registrada, um grupo de pessoas chegou na entrada do prédio portando os artefatos, mas os seguranças da empresa perceberam a movimentação e evitaram o ataque. Além dos explosivos, a polícia também apreendeu um veículo que foi abandonado no local. Até o momento, ninguém foi preso.

Neste feriado de Tiradentes, a segurança na capital foi reforçada diante dos ataques a veículos e a prédios públicos, que teve início na quarta-feira (19). Vinte e um ônibus foram incendiados em diferentes bairros da capital cearense, deixando dois trabalhadores do transporte público feridos – um deles em estado grave. Desde o fim da tarde de ontem (20), os ônibus das linhas regulares passaram a trafegar em comboio e sob escolta policial.

Em entrevista concedida ontem (21), o governador do Ceará, Camilo Santana, classificou os ataques de “terrorismo” e disse que não vai tolerar esses crimes. “Não podemos nos intimidar. Nossa orientação é partir para cima e não abrir um milímetro para os criminosos. A segurança está reforçada para que possamos restabelecer a normalidade da cidade. Não podemos aceitar que criminoso mande no estado.”

A declaração de Santana remete a duas das linhas de investigação sobre os ataques, que consideram recentes transferências de presos de unidades penitenciárias do Ceará e supostas cartas de uma organização chamada Guardiões do Estado encontradas em locais onde os ônibus foram queimados.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247