Preço do gás de cozinha deve saltar para R$ 70 em Alagoas

A Associação dos Revendedores de Gás do Estado de Alagoas (Argal) prevê que o preço do gás para uso residencial deve oscilar entre R$ 60 e R$ 70; atualmente ele pode ser comprado aos revendedores entre R$ 50 e R$ 55; de acordo com representantes dos revendedores, nos últimos quatro meses há um acumulado de 21% de aumento nas refinarias, mas as revendas seguraram enquanto puderam

A Associação dos Revendedores de Gás do Estado de Alagoas (Argal) prevê que o preço do gás para uso residencial deve oscilar entre R$ 60 e R$ 70; atualmente ele pode ser comprado aos revendedores entre R$ 50 e R$ 55; de acordo com representantes dos revendedores, nos últimos quatro meses há um acumulado de 21% de aumento nas refinarias, mas as revendas seguraram enquanto puderam
A Associação dos Revendedores de Gás do Estado de Alagoas (Argal) prevê que o preço do gás para uso residencial deve oscilar entre R$ 60 e R$ 70; atualmente ele pode ser comprado aos revendedores entre R$ 50 e R$ 55; de acordo com representantes dos revendedores, nos últimos quatro meses há um acumulado de 21% de aumento nas refinarias, mas as revendas seguraram enquanto puderam (Foto: Voney Malta)

Alagoas 247 - O preço do GLP P-13, o popular gás de cozinha para uso residencial, deve oscilar entre R$ 60 e R$ 70 em Alagoas, conforme previsão da Associação dos Revendedores de Gás do Estado, a Argal. O reajuste começa a ser praticado nesta quarta-feira (06) em todo o Brasil.

O aumento de 12,2%, feito pela Petrobras, foi repassado nessa terça-feira (05), às refinarias, como vem acontecendo nos últimos meses, mas desta vez só vai ser transferido ao consumidor final para compensar os salários da categoria.

Atualmente, o gás de cozinha pode ser comprado aos revendedores por R$ 50 até R$ 55 em Alagoas. Com o reajuste, a tendência é que o preço suba, em média, R$ 10, pesando no bolso dos donos de casa.

O presidente da Argal, Laedson Soares, explicou que a nova política de preços da Petrobras permite variações mensais na tabulação. Nos últimos quatro meses, conforme revela, há um acumulado de 21% de aumento nas refinarias, mas as revendas seguraram enquanto puderam. 

Havia, no entanto, a previsão, de que o reajuste ao consumidor fosse feito justamente em setembro, por causa do dissídio coletivo. As revendedoras de gás de cozinha em Alagoas e em boa parte do Brasil preferiram esperar o comportamento do mercado para, então, pensar em repassar ao consumidor final.

"A partir de hoje as revendedoras recebem os produtos com mais este reajuste das refinarias. E é provável que algumas delas já aumentem os preços imediatamente. Outras podem esperar o estoque com valor antigo acabar", esclarece Laedson Soares.

Ele avalia que a oscilação de preços pode culminar numa baixa até o fim do ano, porém a decisão fica a cargo da Petrobras. Nos últimos quadrimestre, a distribuidora fez apenas uma redução dos valores, que não foi sentida pelo consumidor final.

O preço do gás de cozinha em Alagoas está na média do Nordeste. A Argal diz que não é o mais caro e também não é o mais barato. Aracaju é a capital nordestina com menor valor do GLP (em média R$ 48). Já a Paraíba está no extremo oposto (R$ 58). A tendência é que estes valores subam a partir desta quarta-feira também.

Com gazetaweb.com

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247