Prefeitura do Rio vai cobrar 1% de corridas feitas por apps

A cobrança vale para motoristas de aplicativos como Uber, Cabify e outros, mas os motoristas do aplicativo Taxi.rio, criado pela prefeitura para motoristas de táxis convencionais, ficaram isentos.

Prefeitura do Rio vai cobrar 1% de corridas feitas por apps
Prefeitura do Rio vai cobrar 1% de corridas feitas por apps
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A prefeitura do Rio de Janeiro decidiu cobrar 1 por cento das corridas feitas por aplicativos de transporte a partir de maio, informou o governo carioca nesta quinta-feira.

A cobrança já tinha sido anunciada em decreto, mas o percentual ainda não havia sido decidido. A prefeitura cogitava percentuais entre 1 e 2 por cento.

A cobrança vale para motoristas de aplicativos como Uber, Cabify e outros, mas os motoristas do aplicativo Taxi.rio, criado pela prefeitura para motoristas de táxis convencionais, ficaram isentos.

A estimativa é que a prefeitura carioca arrecade cerca de 40 milhões ao ano com a cobrança que será destinada à educação do trânsito e manutenção de vias. O Estado do Rio de Janeiro tem cerca de 150 mil motoristas que trabalham para aplicativos.

“Esse percentual será cobrado das empresas e corresponde ao direito de uso intensivo sistema viário urbano Rio”, disse a prefeitura, acrescentando que as empresas de aplicativos terão que informar dados ao governo municipal, como número de corridas e distância percorrida.

Segundo a prefeitura, o percentual de 1 por cento será válido por 3 meses e pode ser alterado dependendo das informações transmitidas pelas empresas.

Por Rodrigo Viga Gaier

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247