“Processo penal não pode ser atropelado pela ansiedade de condenar”

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, falou em perseguição ao fazer uma referência indireta à Operação Lava Jato; “As acusações, quando a serviço de estratagemas, morrem; os acusadores morrem; mas a injustiça contra as vítimas da acusação infundada é incontrolável, e irreparável. Por isso o devido processo penal não pode ser atropelado pela ansiedade de condenar, de execrar, de justiçar”, afirmou 

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, falou em perseguição ao fazer uma referência indireta à Operação Lava Jato; “As acusações, quando a serviço de estratagemas, morrem; os acusadores morrem; mas a injustiça contra as vítimas da acusação infundada é incontrolável, e irreparável. Por isso o devido processo penal não pode ser atropelado pela ansiedade de condenar, de execrar, de justiçar”, afirmou 
O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, falou em perseguição ao fazer uma referência indireta à Operação Lava Jato; “As acusações, quando a serviço de estratagemas, morrem; os acusadores morrem; mas a injustiça contra as vítimas da acusação infundada é incontrolável, e irreparável. Por isso o devido processo penal não pode ser atropelado pela ansiedade de condenar, de execrar, de justiçar”, afirmou  (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), falou em perseguição ao fazer uma referência indireta à Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Segundo o petista, existe uma “teia de acusações que lembram as alcovas da conjuração mineira”. 

“As acusações, quando a serviço de estratagemas, morrem; os acusadores morrem; mas a injustiça contra as vítimas da acusação infundada é incontrolável, e irreparável. Por isso o devido processo penal não pode ser atropelado pela ansiedade de condenar, de execrar, de justiçar”, afirmou ele, nesta sexta-feira (21), no evento em homenagem a Tiradentes e ao ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. 

O chefe do executivo disse o País precisa de uma reconstrução. Para Pimentel, o sistema jurídico perfeito não é aquele que “se alimenta de estardalhaço”, mas o que não teme buscar “silenciosamente” as provas “e não apenas versões”.

Delatores afirmam que o petista recebeu propina para atender interesses da OAS quando era ministro da presidente deposta pelo golpe, Dilma Rousseff. 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247