Procuradores de SP saem em defesa de Barroso

Em nota, procuradores repudiam manifestação do procurador-geral do Estado, Elival da Silva Ramos, de que o ministro do STF, quando era procurador do Rio de Janeiro, "pouco trabalhava na advocacia pública" e "pediu exoneração porque ficou constrangido por ganhar sem trabalhar"; comunicado diz que declaração explica por que Silva Ramos não está na lista tríplice da qual será selecionado o novo comandante da instituição nos próximos anos

Em nota, procuradores repudiam manifestação do procurador-geral do Estado, Elival da Silva Ramos, de que o ministro do STF, quando era procurador do Rio de Janeiro, "pouco trabalhava na advocacia pública" e "pediu exoneração porque ficou constrangido por ganhar sem trabalhar"; comunicado diz que declaração explica por que Silva Ramos não está na lista tríplice da qual será selecionado o novo comandante da instituição nos próximos anos
Em nota, procuradores repudiam manifestação do procurador-geral do Estado, Elival da Silva Ramos, de que o ministro do STF, quando era procurador do Rio de Janeiro, "pouco trabalhava na advocacia pública" e "pediu exoneração porque ficou constrangido por ganhar sem trabalhar"; comunicado diz que declaração explica por que Silva Ramos não está na lista tríplice da qual será selecionado o novo comandante da instituição nos próximos anos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Procuradores de São Paulo saíram em defesa do ministro do STF Luís Roberto Barroso. Em nota, eles repudiaram declaração do procurador-geral do Estado, Elival da Silva Ramos, que disse que o magistrado, quando era procurador do Rio de Janeiro, "pouco trabalhava na advocacia pública" e "pediu exoneração porque ficou constrangido por ganhar sem trabalhar", segundo nota da coluna Painel.

Leia a nota dos procuradores:

Procuradores do Estado repudiam declaração de procurador-geral

Os procuradores do Estado abaixo-assinados, eleitos conselheiros para o biênio 2015-2016 do Conselho da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, em atenção à nota "Sem papas...", publicada na coluna Painel, vêm externar repúdio à manifestação da lavra do excelentíssimo senhor procurador-geral do Estado de São Paulo, dr. Elival da Silva Ramos, sobre o eminente ministro do Supremo Tribunal Federal, dr. Luís Roberto Barroso.

No momento em que se aguarda a manifestação do excelentíssimo senhor governador do Estado de São Paulo acerca da lista tríplice pioneiramente elaborada pela carreira para a escolha do novo Procurador Geral do Estado, a declaração do dr. Elival da Silva Ramos se revela como mais um fator a explicar os motivos de não ter sido um dos três pré-selecionados para o comando da instituição nos próximos anos.

CLÁUDIO HENRIQUE DE OLIVEIRA (Nível I)
DANILO GAIOTTO (Nível II)
RICARDO RODRIGUES FERREIRA (Nível III)
MARIA BERNADETE BOLSONI PITTON (Nível IV)
SALVADOR JOSÉ BARBOSA JUNIOR (Nível V)
CLÁUDIA BOCARDI ALLEGRETTI (Contencioso Tributário-Fiscal)
KELLY PAULINO VENÂNCIO (Contencioso Geral)
PATRÍCIA HELENA MASSA (Consultoria)

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247