Professores da USP alertam contra estado de exceção

Um grupo de professores da Universidade de São Paulo assina um manifesto em defesa da democracia e contra as arbitrariedades da Operação Lava Jato; segundo o documento, a iniciativa tem o objetivo de "alertar para a potencial construção de um estado de exceção: o uso indiscriminado de instrumentos investigativos, que sugere crescente judicialização da política, sob os auspícios do mote 'os fins justificam os meios', favorecendo apenas os setores sociais refratários à consolidação de práticas democráticas no País"

Um grupo de professores da Universidade de São Paulo assina um manifesto em defesa da democracia e contra as arbitrariedades da Operação Lava Jato; segundo o documento, a iniciativa tem o objetivo de "alertar para a potencial construção de um estado de exceção: o uso indiscriminado de instrumentos investigativos, que sugere crescente judicialização da política, sob os auspícios do mote 'os fins justificam os meios', favorecendo apenas os setores sociais refratários à consolidação de práticas democráticas no País"
Um grupo de professores da Universidade de São Paulo assina um manifesto em defesa da democracia e contra as arbitrariedades da Operação Lava Jato; segundo o documento, a iniciativa tem o objetivo de "alertar para a potencial construção de um estado de exceção: o uso indiscriminado de instrumentos investigativos, que sugere crescente judicialização da política, sob os auspícios do mote 'os fins justificam os meios', favorecendo apenas os setores sociais refratários à consolidação de práticas democráticas no País" (Foto: Leonardo Lucena)

SP 247 - Um grupo de professores da Universidade de São Paulo (USP) escreveu um manifesto contra as arbitrariedades da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. De acordo com o documento, a iniciativa tem o objetivo de "alertar para a potencial construção de um estado de exceção: o uso indiscriminado de instrumentos investigativos, que sugere crescente judicialização da política, sob os auspícios do mote 'os fins justificam os meios', favorecendo apenas os setores sociais refratários à consolidação de práticas democráticas no País".

"Rejeitamos a política econômica vigente no país e as políticas federais e estaduais que aprofundam a privatização do Estado e retiram direitos dos trabalhadores, mas repudiamos também a judicialização da luta política e o recurso a mecanismos de exceção, que só atendem a agendas de grupos de interesse", diz o texto.

Leia a íntegra:

MANIFESTO EM DEFESA DA DEMOCRACIA

Diante da gravidade da atual situação política a que a sociedade brasileira está sendo submetida, é imperativo alertar para a potencial construção de um estado de exceção: o uso indiscriminado de instrumentos investigativos, que sugere crescente judicialização da política, sob os auspícios do mote "os fins justificam os meios", favorecendo apenas os setores sociais refratários à consolidação de práticas democráticas no país.

O acompanhamento atento dos atuais acontecimentos nos obriga a não tergiversar na defesa intransigente da democracia, do estado democrático de direito, das organizações sindicais e políticas dos trabalhadores.

Rejeitamos a política econômica vigente no país e as políticas federais e estaduais que aprofundam a privatização do Estado e retiram direitos dos trabalhadores, mas repudiamos também a judicialização da luta política e o recurso a mecanismos de exceção, que só atendem a agendas de grupos de interesse, distantes das necessidades da maioria da população, cuja intolerância e intransigência não raro resultam em tentativas de golpe.

Já estivemos submetidos a situações semelhantes e muito aprendemos com tudo o que nos obrigaram a vivenciar. Não vamos tolerar novas investidas contra a democracia!

São Paulo, 18 de março de 2016

Diretoria da Adusp-S. Sind.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247