Projeto em Minas pode proibir Guimarães Rosa

Assembleia Legislativa protocola projeto de Bruno Siqueira, do PMDB, que probe escolas privadas e pblicas de distriburem livros sem a norma culta ou com elevado teor sexual ou descrio de atos erticos. J tem abaixo-assinado na internet contra o projeto

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Um projeto de lei protocolado na Assembleia Legislativa mineira, se aprovado, poderá destimular a leitura nas escolas de livros de autores como Guimarães Rosa, Nelson Rodrigues ou Oswald de Andrade, entre outros. O projeto 1.983/2011, do deputado estadual Bruno Siqueira, proíbe a distribuição na rede de ensino pública e privada de Minas de qualquer livro didático, paradidático ou literário que não usem a chamada norma culta da língua. Proíbe também livros com “elevado teor sexual, descrições de atos obscenos, erotismo e referências a incestos”.

Aparentemente bem-intencionado, o projeto do deputado peemedebista é mais um a ser vítima de uma visão preconceituosa e simplificadora do uso da língua. Ao estender a determinação para obras literárias, por exemplo, a eventual lei, se aprovada, simplesmente retiraria de circulação, nas escolas mineiras, obras de autores importantes da literatura brasileira. As obras de Nelson Rodrigues, por exemplo, têm “elevado teor sexual”? Provavelmente sim, e essa era uma marca diferenciadora do autor, que trouxe o linguajar e a cultura do carioca típico para o teatro brasileiro. Outro escritor, o mineiro Guimarães Rosa, criou uma série de vernáculos em seus livros, em especial Grande Sertão: Veredas. Oswald de Andrade chegou a criticar o uso da “norma culta” em seu poema “Pronominais”:

Dê-me um cigarro

Diz a gramática

Do professor e do aluno

E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco

Da Nação Brasileira

Dizem todos os dias

Deixa disso camarada

Me dá um cigarro

O deputado Bruno Siqueira alega que há confusão com o real conteúdo do seu projeto. Não há qualquer citação ou sugestão de proibir livros de qualquer espécie, mas apenas priorizar obras que sigam as normas cultas da língua portuguesa.

No ano passado, a professora Heloísa Cerri Ramos envolveu-se (ou melhor, foi envolvida) em polêmica depois de que seu livro “Por uma vida melhor”, da editora Global, passou a ser distribuído pelo Ministério da Educação. Na época, a publicação foi criticada por supostamente incentivar e defender erros gramaticais. Com o tempo, vários especialistas, entre gramáticos e linguistas, entraram no debate e mostraram que a obra não propunha isso.

Em editorial, depois de dias criticando a autora, o jornal Folha de S. Paulo acabou fazendo um mea-culpa, reconhecendo a simplificação da crítica. Em debate no programa Painel, da Globonews, o jornalista William Waack comeceu criticando e depois, após ouvir a defesa do livro por todos os especialistas convidados, perguntou: “Então embarcamos numa furada?”

O deputado mineiro Bruno Siqueira embarcou e, agora, enfrenta um abaixo-assinado na internet contra seu projeto. A petição online pode ser acessada pelo endereço http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N23647.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email