“Reforma não considera desigualdades que as mulheres sofrem no mercado”

A deputada Rachel Marques (PT) criticou a proposta de reforma da Previdência, que estipula a mesma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres. “Essa reforma desconsidera todas as desigualdades que as mulheres hoje sofrem no mercado de trabalho”, afirmou. A parlamentar citou ainda a dupla jornada de trabalho das mulheres, que inclui tarefas domésticas, e o fato de elas ainda ocuparem piores postos no emprego e salários mais baixos

A deputada Rachel Marques (PT) criticou a proposta de reforma da Previdência, que estipula a mesma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres. “Essa reforma desconsidera todas as desigualdades que as mulheres hoje sofrem no mercado de trabalho”, afirmou. A parlamentar citou ainda a dupla jornada de trabalho das mulheres, que inclui tarefas domésticas, e o fato de elas ainda ocuparem piores postos no emprego e salários mais baixos
A deputada Rachel Marques (PT) criticou a proposta de reforma da Previdência, que estipula a mesma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres. “Essa reforma desconsidera todas as desigualdades que as mulheres hoje sofrem no mercado de trabalho”, afirmou. A parlamentar citou ainda a dupla jornada de trabalho das mulheres, que inclui tarefas domésticas, e o fato de elas ainda ocuparem piores postos no emprego e salários mais baixos (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará 247 - A deputada Rachel Marques (PT) criticou a questão da reforma da Previdência, proposta pelo Governo Federal, que estipula a mesma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres. Para ela, da forma como está o texto aprofunda ainda mais a desigualdades entre homens e mulheres. “Essa reforma desconsidera todas as desigualdades que as mulheres hoje sofrem no mercado de trabalho”, afirmou, em pronunciamento na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (8). 

Na opinião da deputada, a reforma não leva em consideração a realidade da mulher com a dupla jornada de trabalho, que inclui tarefas domésticas. Conforme citou Rachel Marques, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2014 aponta que 90,6% realizam afazeres domésticos e essa dupla jornada limita a possibilidade de ascensão profissional.

A parlamentar afirmou ainda que são destinados às mulheres os piores postos de trabalho e salário. “Precisamos lutar para que não haja retrocesso de conquistas alcançadas pela mulher no que diz respeito à aposentadoria e Previdência”, avaliou.

Rachel Marques também pediu apoio para a aprovação do projeto de lei que institui e disciplina o estatuto do parto humanizado no Ceará. Segundo ela, a proposta já recebeu parecer favorável da Procuradoria da Casa e passará a tramitar nas comissões técnicas. “O projeto visa garantir melhor assistência das mulheres nesse período gravídico”, explicou.

Em aparte, a deputada Dra. Silvana (PMDB) parabenizou o discurso, mas observou que o risco de igualar a idade para aposentadoria de homens e mulheres se deve à igualdade de gênero.  “Uma mulher é diferente do homem, gênero é principio gramatical. Jamais uma mulher pode se aposentar igual ao homem no mesmo período. Somos diferentes, sou contra essa reforma perversa”, protestou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247