Ronaldo Fraga assina parceria com Mães de Minas

Projeto do Governo de Minas foi criado com o objetivo de reduzir os índices de mortalidade infantil e materna no Estado. Estilista se dispôs a ceder a exposição sobre a coleção Costela de Adão, inspirada no Vale do Jequitinhonha

Ronaldo Fraga assina parceria com Mães de Minas
Ronaldo Fraga assina parceria com Mães de Minas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Minas - A vigilância da saúde das mães e das crianças mineiras ganhou um apoio de peso. O estilista Ronaldo Fraga aceitou o convite feito pelo secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, e passou a ser mais um parceiro do “Mães de Minas”, projeto do Governo de Minas criado com o objetivo de reduzir os índices de mortalidade infantil e materna no Estado.

Ronaldo Fraga se dispôs a ceder a exposição sobre a coleção Costela de Adão, inspirada no Vale do Jequitinhonha. As peças poderão ser expostas em sete cidades mineira, durante as Jornadas Mineiras de Redução da Mortalidade Infantil, previstas para este semestre.

O estilista se dispôs, ainda, a fazer uma releitura da marca do projeto, inspirada nas bonecas de cerâmica, produzidas no Vale.

“A redução da mortalidade infantil está fortemente ligada à qualidade do pré-natal bem feito. Fazer sete consultas, por si só, não implica em números menores. O que vai impactar, de fato, é que cada consulta tenha qualidade”, explicou o secretário. “A adesão de uma pessoa como Ronaldo Fraga contribui para a legitimação do programa junto à população. Para que o projeto “Mãe de Minas” tenha o resultado que se espera dele – 250 mil mães/ano monitoradas – é preciso que as gestantes se cadastrem por meio do número 155. Só a partir desse cadastro, podemos passar a fazer a vigilância sobre a saúde dela e do bebê. “E para que isso ocorra é preciso mobilizar a sociedade, agregar ao projeto pessoas que tenham a respeitabilidade e a liderança de cidadãos como Ronaldo Fraga”, salientou Antônio Jorge.

O estilista destacou que para despertar o interesse por essa causa é preciso despertar os sentidos. “Precisamos colocar uma lente sobre a realidade de cada uma dessas mães para enxergá-las de outras formas”. Para Fraga, essa lente, quando atrelada à cultura, promove mudanças, transforma realidades e cria pontes. “A cultura e a saúde quando juntas podem promover grandes transformações”.

Mães de Minas

O Projeto Mães de Minas nasceu para cuidar da vida dos novos mineiros. Trata-se de um conjunto de ações de saúde voltadas para a proteção e o cuidado da gestante e da criança no primeiro ano de vida, alicerçada na Rede Viva Vida de atenção à mulher e à criança existente desde 2003 no Estado de Minas Gerais. Os cenários que levam à mortalidade infantil e materna apontam para a necessidade de fortalecer o cuidado com a gestante, a criança e sua família, tão logo se tenha notícia do início da gravidez.

Por isso, o Governo de Minas se propõe, com esse projeto, estabelecer um contato individual com cada gestante, mobilizando todos os recursos necessários para o acompanhamento do pré-natal e também do primeiro ano de vida da criança, para identificar e sanar situações de risco. O Mães de Minas se propõe a conhecer e a zelar por cada gestante e criança do estado de Minas Gerais e por isso, a identificação e informações da mulher assume um caráter fundamental. Não basta saber que a gestante e a criança existem, como acontece nos sistemas de informação clássicos. É preciso que essa informação chegue em tempo real, para possibilitar acompanhamento e proteção eficazes.

Para atingir esse objetivo, além da instalação de um call center (155), há também um olhar especial para a criação de uma forte rede de Mobilização Social. Já foram cadastradas mais de 75 mil gestantes, dessas, 35.850 atualmente já são mães e outras 32.527 estão grávidas, em todas as cidades mineiras. Hoje, entre cadastros e monitoramento, são realizadas ao mês, uma média de 60 mil ligações (realizadas e recebidas). Esse atendimento humanizado e competente é feito em sua maioria por 96 mulheres batizadas de “madrinhas” (mulheres que são mães ou avós) e mais 22 profissionais da Equipe de Saúde, que conta com 12 médicos e 10 enfermeiros em plantão diário de 24 horas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247